Galardão distingue ideias inovadoras na área da saúde. Candidaturas terminam a 15 de janeiro
02/01/2019 15:38:32
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Galardão distingue ideias inovadoras na área da saúde. Candidaturas terminam a 15 de janeiro

Já se encontram abertas as candidaturas ao i3S/HovioneCapital Health Innovation Prize, um prémio internacional no valor total de 35 mil euros que visa distinguir ideias inovadoras na área da saúde. O prazo para submissão de candidaturas à segunda edição do concurso i3S-Hovione Capital Innovation Prize termina a 15 de janeiro.

Promovido pelo Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto (UP) e pela Hovione Capital, este galardão junta um instituto de investigação e uma capital de risco – entidades que normalmente participam em fases muito diferentes do processo de inovação -, com o objetivo comum de acelerar a criação de novos produtos de base científica e de novas empresas start-up na área da saúde. Com esta colaboração espera-se encurtar o caminho entre a obtenção de conhecimento e a chegada ao mercado de inovações que tragam benefícios para o sistema de saúde e para os doentes.

Para além do prémio final, os projetos finalistas poderão receber prémios adicionais atribuídos por entidades parceiras do projeto que intervêm na inovação do setor da saúde, casos da Nova-CRU, Patentree, SRS Advogados ou a Agência Nacional de Inovação (ANI). Esta última irá atribuir a distinção Born from Knowledge (BfK) Awards ao melhor projeto “nascido do conhecimento”. É a segunda vez que a Agência se associa ao i3S/HovioneCapital Health Innovation Prize através do Programa BfK, mas desta vez entregará, para além do troféu “Árvore do Conhecimento”, um prémio monetário de cinco mil euros ao vencedor.

O i3S tem investido fortemente na mobilização de conhecimento gerado através da sua atividade core de investigação para a esfera das empresas, com o objetivo de o valorizar e potenciar o contributo que o conhecimento gerado pode ter para a sociedade. Como explica Hugo Prazeres, especialista do i3S na transferência de conhecimento, “na nossa visão, é essencial valorizar o conhecimento produzido, quer porque a criação de novos produtos médicos é uma forma clara de retorno do investimento feito em investigação, quer por a criação de novas empresas conduzir à criação de emprego especializado que absorve os recursos humanos altamente qualificados que temos vindo a formar”.

Gonçalo Andrade, executivo da Hovione Capital, explica que “é fácil perceber por que o maior instituto de investigação e inovação em saúde do país se associou a uma das mais importantes companhias de investimento, a Hovione Capital: para criar um instrumento que incentive investigadores e empreendedores a darem corpo às suas ideias e lançarem-se no desenvolvimento de tecnologias e produtos”.

João Cortez, também envolvido na transferência de conhecimento no i3S e na organização deste concurso, afirma que “todos saem a ganhar desta parceria: o Instituto por criar uma atmosfera de excelência para a inovação, a Hovione Capital ao ter acesso e participar desde cedo no surgimento de novas ideias e, acima de tudo, os empreendedores por terem uma oportunidade de dar corpo às suas ideias inovadoras”.

A equipa que está a promover esta distinção quer ir muito mais longe do que a simples atribuição de um prémio. “A forma como estamos a organizar a atribuição do i3S-Hovione Capital Health Innovation Prize”, adianta ainda João Cortez, “irá trazer à cena outros parceiros que podem acrescentar mais investimento”. A título de exemplo, a plataforma de investimento Aescuvest concordou em oferecer uma campanha de crowdfunding ao primeiro classificado e posiciona-se adicionalmente para rondas de financiamento superiores a 500 mil euros, o que poderá constituir uma excelente oportunidade para projetos de maturidade intermédia terem acesso a investidores europeus.

Em suma, a atribuição do prémio é, para a organização, um instrumento destinado a criar sinergias múltiplas entre investidores e empreendedores que não se resumem ao valor de 35 mil euros (cinco mil dos quais pecuniários) a atribuir ao grande vencedor. “Estamos certos que, no evento de seleção e entrega do prémio, muitas outras oportunidades de investimento irão surgir, quer para os premiados quer para os restantes a concurso, dado o interesse de vários investidores e parceiros já associados desde a criação desta distinção”, conclui João Cortez.

A cerimónia de atribuição dos prémios (incluindo os dos parceiros) está agendada para 4 de fevereiro e contará com a presença de investidores e entidades relevantes do ecossistema de inovação.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019