SPMI e APMGF unem esforços em prol de uma melhor gestão do doente agudo
SPMI e APMGF unem esforços em prol de uma melhor gestão do doente agudo

A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) e a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) assinaram uma declaração de consenso que visa a introdução de melhorias significativas no tratamento da doença aguda em Portugal. Na sequência da reunião onde foi assinada esta declaração, será solicitada uma audiência conjunta à ministra da Saúde, Dr.ª Marta Temido, com o objetivo de propor um conjunto de recomendações que promovam uma melhor gestão do doente agudo.

Num comunicado divulgado à comunicação social, o presidente da SPMI, Dr. João Araújo Correia, refere que “Portugal é o país da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) onde o recurso ao Serviço de Urgência hospitalar é mais frequente, representando o dobro da média dos países deste grupo”. “Cerca de 40 a 50% das admissões nestes serviços são por situações não urgentes”, acrescenta.

O excesso de afluência aos serviços de urgência, acrescenta o internista, “provoca que, em muitas situações, sejam ultrapassados os tempos de espera recomendados pela triagem de Manchester, o que põe em risco a segurança dos doentes e dos profissionais”.

“Nos últimos anos, em cada inverno, a situação agrava-se e cria o caos nos serviços de urgência, hospitais e centros de saúde, o que gera uma incapacidade de resposta adequada aos utentes”, explica o presidente da SPMI.

Ambas as sociedades científicas consideram que existe uma falta de informação que ajude a população a utilizar os recursos de saúde de uma forma mais racional, bem como um subfinanciamento e uma evidente falta de investimento nos centros de saúde e nos hospitais, o que induz graves disfunções no sistema.

Consulte as recomendações que serão propostas aqui.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019