22.ª Edição do Congresso Português de Obesidade aborda a doença como “um peso a reduzir”
20/11/2018 17:00:00
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
22.ª Edição do Congresso Português de Obesidade aborda a doença como “um peso a reduzir”

“Obesidade: um peso a reduzir” é o lema do 22.º Congresso Português de Obesidade, que decorre no Hotel Tivoli Oriente, em Lisboa, entre os dias 23 e 25 de novembro. Pela primeira vez, a iniciativa promovida pela Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO) vai integrar um curso dirigido à Medicina Geral e Familiar, pretendendo abordar a patologia de uma forma transversal.

 

Como principal objetivo, o Congresso pretende ser “uma atualização nas várias vertentes, desde a investigação à clínica”, explica a Prof.ª Doutora Paula Freitas. Como afirma a presidente da SPEO, o lema da edição deste ano rege-se pela prioridade de “ter uma ideia concreta do impacto económico da obesidade em Portugal, para depois serem delineadas estratégias para reduzir estes custos a longo prazo”.

Por sua vez, o presidente da Comissão Organizadora, Dr. António Albuquerque, espera que esta seja uma reunião entre todos os especialistas, para atingir o grande objetivo de “reduzir o peso desta epidemia”.

Neste sentido, o programa do Congresso prevê que sejam apresentados diversos protocolos úteis na prática clínica diária dos especialistas.

“Protocolos de tratamento não cirúrgico da obesidade, com a colaboração da Psicologia e Psiquiatria, Nutrição, fisiologistas do exercício físico e endocrinologistas”, “protocolo de diagnóstico e tratamento das hipoglicemias após cirurgia bariátrica” e “orientação nutricional e terapêutica farmacológica da diabetes após cirurgia bariátrica”, enumera o Dr. António Albuquerque.

A SPEO, enquanto entidade promotora do encontro, afirma-se como consciente das necessidades dos doentes portugueses, trabalhando no sentido de colmatar as principais falhas atuais. “De facto, a obesidade tem uma maior prevalência nas classes sociais mais desfavorecidas e esses não têm recursos económicos para a aquisição de fármacos”, refere a Prof.ª Doutora Paula Freitas.

Desta forma, adianta, é fundamental ter em conta o impacto económico da doença, “já que o não tratamento atempado da obesidade tem implicações diretas na ocorrência de múltiplas outras doenças e consequentes necessidades de tratamentos adicionais”.

Com um “programa bastante rico e diversificado”, o presidente da Comissão Organizadora espera “um congresso de elevada qualidade”, que vá ao encontro das expectativas dos “mais de 400 participantes”.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019