Pé diabético: APP defende criação de consultas de Podologia no SNS para evitar amputações
13/11/2018 15:42:37
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Pé diabético: APP defende criação de consultas de Podologia no SNS para evitar amputações

O Ministério da Saúde tem subvalorizado a criação de uma consulta multidisciplinar com integração da Podologia nos cuidados primários de saúde, de forma a evitar as amputações do pé diabético. O alerta é deixado pela Associação Portuguesa de Podologia (APP) na véspera do Dia Mundial da Diabetes, que se assinala amanhã, numa altura em que uma amputação custa ao estado português 25 mil euros por doente, valor que ascende aos 25 milhões por ano.

A taxa média de amputação do pé diabético em Portugal é de 5,4 por 100 mil habitantes. A zona norte do país tem uma taxa de 3,4 /100 mil habitantes, de acordo com o Observatório Nacional da Diabetes.
Num comunicado divulgado à comunicação social, o presidente da APP, Dr. Manuel Azevedo Portela, defende que “ a presença do podologista na consulta do pé diabético especializada na avaliação, orientação e prevenção de patologias do pé, assim como o seu tratamento, permite reduzir inequivocamente esta catástrofe”.

Despesas diretas com a cirurgia, reabilitação do pé e do doente, abstinência laboral e os transportes são os fatores que mais pesam no orçamento da Saúde e da Segurança Social com as amputações dos doentes diabéticos. Neste sentido, o especialista considera que “replicar os modelos de boas práticas que têm comprovado a excelência na prevenção de amputações do pé diabético deve ser uma prioridade nas unidades de cuidados primários”.

Dados epidemiológicos demonstram que o pé diabético é responsável pela principal causa de internamento do portador de diabetes. A previsão para o ano de 2025 é de mais de 450 milhões de portadores de diabetes. Destes, pelo menos 25% vão ter algum tipo de comprometimento significativo nos seus pés. Atualmente, estima-se que, a nível mundial, ocorram duas amputações por minuto à custa do pé diabético, sendo que 85% destas são precedidas por úlceras.

Estima-se que 15% dos doentes diabéticos desenvolvem uma úlcera nos membros inferiores durante os anos de doença e que 85% das amputações têm um historial de úlceras diabéticas. As complicações que ocorrem nos pés destes doentes vão proporcionar uma diminuição da qualidade de vida destes indivíduos e um grande custo aos serviços de saúde.

De acordo com um estudo recente da Associação Médica Podiátrica do Estado de Nova Iorque a Podologia permite diminuir as hospitalizações por diabetes e os custos dos cuidados de saúde. Esta especialidade médica ajuda a melhorar a qualidade de vida dos doentes, permitindo que estes façam uma gestão eficaz das úlceras do pé diabético.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019