Portugal sobe ao nível quatro na provisão de cuidados paliativos pediátricos
30/10/2018 14:42:42
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Portugal sobe ao nível quatro na provisão de cuidados paliativos pediátricos

Na cerimónia de abertura do 4.º Congresso de Cuidados Paliativos Pediátricos da Fundação Maruzza, realizado em Itália, foi apresentado o mapa atualizado de provisão de cuidados paliativos pediátricos a nível mundial. Portugal subiu ao nível quatro da International Children´s Palliative Care Network (ICPCN), sendo que em 2013 ocupava o nível um, sem provisão reconhecida, e em 2015 o nível três, evidência de provisão localizada e disponibilidade de formação.

Num comunicado divulgado à comunicação social, a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) considera que a promoção de Portugal para nível quatro (evidência de provisão generalizada, disponibilidade de formação e planos para o desenvolvimento de serviços e integração nos serviços de saúde) legitima o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido nos últimos anos em virtude do reconhecimento das necessidades paliativas em Pediatria. A APCP fala de um “esforço conjunto do Grupo de Apoio à Pediatria da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos e do Grupo de Trabalho de Cuidados Continuados e Paliativos da Sociedade Portuguesa de Pediatria”, constituídos em 2013.

“O trabalho destes grupos encontrou eco no Ministério da Saúde, em particular junto dos anteriores Secretários de Estado Adjuntos, Dr. Fernando Leal da Costa e Dr. Fernando Araújo, assim como na Comissão Nacional de Cuidados Paliativos nomeada em 2016”, comenta a Dr.ª Ana Lacerda, vice-presidente da APCP e coordenadora dos grupos referidos.

“Somos igualmente um dos poucos países a nível mundial que dispõem de formação presencial avançada em cuidados paliativos pediátricos (pós-graduação criada em 2012, na Universidade Católica Portuguesa, Lisboa)”, explica ainda a Dr.ª Ana Lacerda.

“Agora que Portugal se encontra no nível quatro é essencial que o desenvolvimento de serviços se faça assegurando a qualidade dos cuidados prestados, dentro das inevitáveis limitações de recursos”, acrescenta.

O presidente da APCP, Dr. Duarte Soares, acredita que a “divulgação e aderência aos princípios recomendados constituirão uma ajuda para a continuação do trabalho que tem sido desenvolvido no país pelas associações e sociedades médicas, em estreita colaboração com o Ministério da Saúde”.

Importa agora continuar a desenvolver serviços e a promover a educação dos profissionais e da sociedade, com a ambição de atingir o nível cinco (integração plena nos serviços de saúde, com política nacional, conclui a APCP.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019