Lançada campanha que alerta para fatores de risco de doença silenciosa que afeta 800 mil portugueses
19/10/2018 16:48:52
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Lançada campanha que alerta para fatores de risco de doença silenciosa que afeta 800 mil portugueses

A Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR), a Sociedade Portuguesa de Osteoporose e Doenças Ósseas Metabólicas (SPODOM) e a Associação Nacional contra a Osteoporose (APOROS) lançaram uma campanha para assinalar o Dia Mundial da Osteoporose, com o apoio da Amgen Biofarmacêutica. O objetivo é alertar a população para os fatores de risco da patologia.

Num comunicado divulgado à comunicação social, a presidente da APOROS, Dr.ª Viviana Tavares, refere que “a osteoporose está na origem de 50 mil fraturas por ano, as quais têm um impacto substancial, na morbilidade e na qualidade de vida dos doentes e, que podem ter como última consequência, redução na sobrevivência”.

Já o Dr. Luís Cunha Miranda, presidente da SPR, alerta que “em muitos casos, mesmo após uma fratura causada pela osteoporose, o doente não é encaminhado para tratamento e acompanhamento adequado, o que conduz ao risco de uma nova fratura e a complicações que podem ser fatais”. Por isso, considera ser “crucial apostar na capacitação do doente e numa comunicação mais ativa”.

A nível mundial, uma em cada três mulheres e um em cada cinco homens, com idades acima dos 50 anos, poderão sofrer uma fratura devido à osteoporose, segundo a Fundação Internacional da Osteoporose.

Na população feminina, a redução na densidade óssea é particularmente comum em mulheres na pós-menopausa, devido à redução dos níveis de estrogénio. Adicionalmente, a diminuição da atividade física e as alterações nutricionais podem afetar o metabolismo de forma negativa e contribuírem para a osteoporose.

O risco de fraturas por fragilidade óssea em mulheres é maior do que a incidência de ataque cardíaco, AVC e cancro da mama combinados, segundo a SPODOM. Contudo, apenas um terço está a receber tratamento para a proteção óssea após uma fratura.

Neste sentido, a presidente da APOROS, considera que “o número global de casos tem vindo a aumentar com o envelhecimento da população”, sendo que as fraturas do colo do fémur têm registado um aumento de 4% todos os anos.

O Dr. Mário Mascarenhas, presidente da SPODOM, alerta que “é crucial apostar na prevenção da osteoporose, tendo como objetivo a obtenção de bons níveis de massa óssea, que deve ser feita através da identificação e correção precoce dos fatores de risco modificáveis, sobretudo aqueles que se relacionam com o estilo de vida”.

As entidades criaram um vídeo de sensibilização que procura alertar para estes fatores de risco para os quais a população portuguesa deve estar atenta.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019