Debater a insónia crónica enquanto problema grave é a motivação do Simpósio da Associação Portuguesa do Sono
18/10/2018 15:54:16
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Debater a insónia crónica enquanto problema grave é a motivação do Simpósio da Associação Portuguesa do Sono

“Insónia – a Perspetiva da Medicina do Sono” é o tema do Simpósio da Associação Portuguesa do Sono (APS), a decorrer no próximo dia 20 de outubro, em Coimbra. Em destaque no evento vão estar dados recentes da abordagem à insónia crónica, que comprovam que este é um fator de risco para a hipertensão, para a doença coronária, inclusive para a morte por doença cardiovascular precoce, e para o desenvolvimento de diabetes tipo 2.

 

Como explica o Dr. Joaquim Moita, presidente da APS, os principais objetivos do encontro passam por “debater a insónia crónica enquanto um grave problema de saúde pública, que atinge cerca de 10% da população portuguesa mas que continua a ser uma questão desvalorizada no nosso país, e, por outro lado, abordar a importância de tratar corretamente esta doença”.

O tratamento da insónia vai ser outro tema abordado durante o Simpósio. Vai ser dada “uma grande atenção ao que consideramos ser o tratamento correto da insónia, quer do ponto de vista farmacológico, quer do ponto de vista das novas abordagens como a terapia cognitivo-comportamental”, acrescenta o especialista.

“Queremos chamar a atenção para o uso excessivo e ineficaz das benzodiazepinas pois, para além dos malefícios, elas deixam de ser úteis ao fim de algum tempo. São completamente inúteis e podem inclusivamente ser maléficas para o próprio sono, pois a estrutura do sono sob o efeito das benzodiazepinas é completamente modificável, sendo que este até é um fator, por muito paradoxal que seja, perpetuante da insónia. Consideramos que a prescrição das benzodiazepinas deve ser contrariada”, continua.

De sublinhar ainda a conferência “Sono, ritmo circadiano e envelhecimento: do laboratório para a sociedade”, que conta com as Prof.ªs Doutoras Cláudia Cavadas e Ana Rita Álvaro, investigadoras do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, como oradoras.

Consulte aqui mais informações.

 

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019