Grupo de Estudos de Cancro e Trombose alerta para os sinais e sintomas de um tromboembolismo venoso
Grupo de Estudos de Cancro e Trombose alerta para os sinais e sintomas de um tromboembolismo venoso

Amanhã, dia 13 de outubro, assinala-se o Dia Mundial da Trombose. No âmbito da data, o Grupo de Estudos de Cancro e Trombose (GESCAT) organiza hoje uma campanha em Lisboa, sob o mote “Aprenda a identificar os sinais e os sintomas de um TEV”. Como principal objetivo, o projeto visa informar, sensibilizar e consciencializar a população, os doentes oncológicos, os profissionais de saúde e os decisores políticos para causas, fatores de risco, sinais e sintomas de um tromboembolismo venoso (TEV).

 

A iniciativa passa pela realização de uma ação de guerrilha para ir ao encontro das pessoas e ajudá-las a estar atentas à realidade desta doença silenciosa ainda pouco conhecida e que pode ser fatal. A ação consiste na distribuição de Folhetos Informativos por Mascotes em forma de trombo (coágulo de sangue) em três estações de comboios da cidade de Lisboa: Oriente, Santa Apolónia e Sete Rios e junto à entrada principal do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil.

Segundo a Sociedade Internacional de Trombose e Hemostase (ISTH), anualmente, em todo o mundo, ocorrem cerca de dez milhões de novos casos de TEV e a cada 37 segundos uma pessoa morre em consequência do problema. Na Europa e nos Estados Unidos da América, o TEV mata mais pessoas do que a SIDA, o cancro da mama, o cancro da próstata e os acidentes de viação.

De acordo com dados divulgados pela ISTH, uma em cada quatro pessoas em todo o mundo perde a vida diariamente devido a um TEV, números que reforçam a necessidade de aumentar a consciencialização da população para a principal causa de morte cardiovascular evitável.

 

Fotografias cedidas pelo GESCAT

 

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019