Novas Fast-Track Cities portuguesas apresentadas na Assembleia da República
11/10/2018 16:25:36
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Novas Fast-Track Cities portuguesas apresentadas na Assembleia da República

A Declaração Conjunta “Cidades na Via Rápida para Eliminar o VIH” foi assinada por mais sete municípios esta quarta-feira, dia 10 de outubro, na Assembleia da República. A Cascais, Lisboa e Porto juntam-se agora Almada, Amadora, Loures, Odivelas, Oeiras, Portimão e Sintra.

 

O ministro da Saúde, Prof. Doutor Adalberto Campos Fernandes, abriu a cerimónia, que decorreu na Sala do Senado da Assembleia da República e que oficializou a entrada de Almada, Amadora, Loures, Odivelas, Oeiras, Portimão e Sintra na via rápida para acabar com a epidemia VIH/SIDA. Sublinhou a “parceria virtuosa” que envolve a comunidade e os municípios e referiu-se aos autarcas como os “melhores mediadores” nesta iniciativa lançada em Paris, no ano de 2014, e à qual já tinham aderido Cascais, Lisboa e Porto em 2017.

Denominada "Cidades na via rápida para eliminar o VIH” ou Fast-Track Cities, a iniciativa foi apresentada nesta cerimónia por Bertrand Audoin da International Association of Providers in AIDS Care. Tem como objetivo, até 2020, alcançar a meta “90-90-90”, que foi definida pelas Nações Unidas para o VIH/SIDA (ONUSIDA).

A Dr.ª Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, evidenciou os “extraordinários progressos verificados ao longo dos anos, que mostram que Portugal está no bom caminho” na luta contra o VIH/SIDA e prestou uma homenagem à Prof.ª Doutora Odette Santos Ferreira pelo seu papel na investigação da infeção e não só. Focou, por exemplo, a criação do programa da troca de seringas, que ajudou a reduzir a infeção entre os utilizadores de drogas injetáveis e no âmbito do qual já foram recolhidas 56 milhões de seringas.

O enquadramento da infeção foi feito pela Dr.ª Isabel Aldir, diretora do Programa Prioritário para a área da Infeção VIH/SIDA da DGS, que também vincou a contribuição das autarquias na luta contra a SIDA. Segundo referiu, o pico do número de casos em Portugal ocorreu em 1999, tem vindo a decrescer. Porém, continua a ser um dos países com maior número de casos da União Europeia. “Há ainda muito a fazer”, frisou.

Antes da assinatura da Declaração Conjunta “Cidades na Via Rápida para Eliminar o VIH” fizeram comentários sobre a adesão à iniciativa a Inês de Medeiros (presidente da Câmara Municipal de Almada), a Susana Santos Nogueira (vereadora da Câmara Municipal de Amadora), o Gonçalo Caroço (vereador da Câmara Municipal de Loures), o Hugo Martins (presidente da Câmara Municipal de Odivelas), o Francisco Rocha Gonçalves (vice-presidente da Câmara Municipal de Oeiras), a Isilda Gomes (presidente da Câmara Municipal de Portimão) e o Eduardo Quinta Nova (vereador da Câmara Municipal de Sintra).

Intervieram ainda nesta cerimónia Gonçalo Lobo, em representação do Fórum Nacional da Sociedade Civil VIH SIDA, Tuberculose e Hepatites Virais, e Tim Martineau, diretor da ONUSIDA. A palavra final foi do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Dr. Fernando Ferreira Araújo, que também prestou a merecida homenagem à Prof.ª Doutora Odette Santos Ferreira, sublinhando o legado que deixou.

“Sem autarcas, sem a comunidade e sem o Prof. Doutor Kamal Mansinho não estaríamos aqui”, afirmou e frisou que a organização do evento na Assembleia da República foi simbólico e mostra “o apoio que existe na luta contra a infeção VIH/SIDA e hepatites”. Lembrou igualmente a elevada taxa de incidência e a urgência de se mudar o paradigma e fez referência a um “marco histórico no combate à epidemia: a disponibilização de testes para VIH e hepatites nas farmácias para serem realizados pelos utentes em casa”.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019