Estudo indica que sacubitril/valsartan pode ser iniciado em internamento após estabilização de um episódio de insuficiência cardíaca aguda
05/09/2018 14:50:10
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Estudo indica que sacubitril/valsartan pode ser iniciado em internamento após estabilização de um episódio de insuficiência cardíaca aguda

Dados do Estudo TRANSITION apresentados no ESC Congress 2018 revelam que o tratamento com sacubitril/valsartan pode ser iniciado precocemente e com segurança em grande parte dos doentes com insuficiência cardíaca com fração de ejeção reduzida (IC-FER), após estabilização de um episódio de insuficiência cardíaca aguda. O estudo incluiu também doentes sem experiência anterior com o fármaco ou outros tratamentos convencionais.

Num comunicado divulgado à comunicação social, a Novartis refere que cerca de metade dos doentes com insuficiência cardíaca (IC) têm fração de ejeção reduzida. Neste sentido, considera que é fundamental otimizar o tratamento de acordo com as guidelines, de forma a reduzir a probabilidade de morte ou de um novo episódio agudo.

No entanto, a farmacêutica entende que existe alguma hesitação em iniciar um novo tratamento após a hospitalização, uma vez que estes doentes são considerados vulneráveis e incapazes de tolerar alterações ao seu tratamento habitual.

No estudo TRANSITION, a segurança e tolerabilidade do fármaco foram avaliadas em doentes com IC–FER após terem sido estabilizados na sequência de um episódio de insuficiência cardíaca aguda.

Os doentes iniciaram, de forma aleatória, o tratamento com o medicamento no hospital ou logo após a saída do hospital. Ao fim de 10 semanas, mais de 86% dos doentes foram tratados com sacubitril/valsartan durante duas semanas ou mais, sem interrupção, e cerca de metade dos doentes que participaram no estudo alcançaram o endpoint primário: uma dose alvo do fármaco 97 mg/103 mg duas vezes por dia durante 10 semanas, em ambos os grupos.

O número de doentes que atingiram os endpoints primário e secundário foi semelhante em ambos os braços de tratamento. A incidência de eventos adversos e descontinuações do medicamento devido a eventos adversos também foi semelhante, tanto em iniciação em ambiente hospitalar como em ambulatório.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019