ESEP participa em programa que quer ajudar os enfermeiros a prevenir o stress no ambiente de trabalho
26/07/2018 17:42:32
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
ESEP participa em programa que quer ajudar os enfermeiros a prevenir o stress no ambiente de trabalho

A Escola Superior de Enfermagem do Porto (ESEP), em colaboração com entidades espanholas e brasileiras, está a desenvolver um programa que prevê o recurso a uma tecnologia para ajudar os enfermeiros a prevenir o stress no ambiente de trabalho.

Um estudo preliminar, que englobou 474 enfermeiros do Porto e de Oviedo, Espanha, desenvolvido no âmbito do projeto principal, identificou níveis baixos ou moderados de stress. As dimensões mais stressantes encontradas, foram a sobrecarga de trabalho e a dificuldade em lidar com a morte, por oposição ao reduzido stress provocado pela falta de suporte ou conflitos com enfermeiros. Os dados são divulgados pela Prof.ª Doutora Elisabete Borges, da ESEP, à Lusa.

Numa outra amostra, que englobou enfermeiros do Porto, de Oviedo e do Brasil, a equipa verificou que 11% desse grupo sofre de síndrome de burnout elevado.

Os resultados desse trabalho, que envolveu enfermeiros de hospitais universitários centrais, revelam igualmente que, apesar de 56% dos participantes sofrerem de baixo burnout, já há 33% com nível moderado.
Segundo a investigadora do grupo NursID, do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, a comparação entre os dados recolhidos em Portugal e em Espanha revelou "diferenças pouco significativas" quanto ao stress, sugerindo que as fontes que o causam são comuns aos enfermeiros dos dois países.

No entanto, no que toca ao presentismo, prática que consiste em estar presente no local de trabalho, sem condições físicas ou mentais que perturbam a produtividade, foram encontrados níveis mais altos nos enfermeiros espanhóis do que nos portugueses.

A investigadora alertou, contudo, para o facto de o stress e o burnout poderem "refletir o mito do trabalhador saudável, ou seja, só preencherem questionários os enfermeiros que ainda não estão em desgaste, pois os que estão já doentes não terão paciência ou capacidade de participar em estudos".

Este estudo está inserido no projeto principal, onde, além da ESEP, participam a Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação do Porto (FPCEUP), a Facultad de Medicina y Ciencias de la Salud da Universidade de Oviedo (Espanha) e a Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (Brasil), com o objetivo de aprofundar o conhecimento e comparar os contextos laborais e a saúde dos enfermeiros dos três países.

Quanto ao engagement, definido neste contexto como o compromisso para com a profissão, também avaliado noutro dos estudos deste projeto, foram verificados níveis altos em 160 enfermeiros a exercer funções nos cuidados de saúde primários na região do Porto e numa das ilhas dos Açores.

Em declarações à Lusa, a Prof.ª Doutora Elisabete Borges referiu ainda que, numa amostra de 324 enfermeiros a exercer funções em Portugal, foi identificada uma prevalência de bullying de 9,3%.

Questionada, a docente afirmou que a Enfermagem do trabalho em Portugal "tem vindo a ter uma maior visibilidade e reconhecimento", sobretudo "com o aumento de formação nesta área do conhecimento" e com o regulamento da competência acrescida diferenciada, estabelecido em junho deste ano pela Ordem dos Enfermeiros.

"Considero que estamos num caminho de valorização de competências destes profissionais nos diferentes contextos. Integrados em equipas multidisciplinares, desenvolvendo uma prática profissional baseada na evidência, devem potenciar a sua prática clínica no âmbito da promoção de saúde dos trabalhadores", frisou.

O projeto, intitulado "INT-SO: Dos contextos de trabalho à saúde ocupacional dos profissionais de enfermagem, um estudo comparativo entre Portugal, Brasil e Espanha", já deu origem à obra "Enfermagem do Trabalho: Formação, Investigação e Estratégias de Intervenção", o primeiro livro desta área de conhecimento em Portugal, acrescentou.

Atualmente, os investigadores estão a desenvolver mais estudos comparativos entre os três países.

Fonte: Diário de Notícias


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019