Projeto de telerreabilitação do CHL vence Prémio Inovação NOS na categoria "Grandes Empresas"
04/07/2018 15:02:54
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Projeto de telerreabilitação do CHL vence Prémio Inovação NOS na categoria "Grandes Empresas"

Um dos três vencedores da terceira edição do Prémio Inovação NOS foi o projeto de telerreabilitação para a patologia osteoarticular crónica do joelho e do ombro, desenvolvido pelo Serviço de Medicina Física e Reabilitação do Centro Hospitalar de Leiria (CHL). O galardão, integrado na categoria "Grandes Empresas", foi entregue a 28 de junho, no Teatro Tália, em Lisboa.

Dinamizado em colaboração com os Agrupamentos de Centros de Saúde do Pinhal Litoral e Oeste Norte, a SWORD Health e a NOS, o projeto consiste numa plataforma de telerreabilitação para a patologia osteoarticular crónica do joelho e do ombro, funcionando como uma solução integrada para reabilitar utentes com uma das patologias crónicas mais comuns e uma das principais causas de dor e incapacidade nos adultos.

“A demonstração de que a inovação acontece no setor público e num hospital público como é o CHL. O que diferencia este projeto e o torna verdadeiramente inovador é, mais do que a tecnologia, uma forma diferente e pioneira de organização de cuidados, criando circuitos diferentes, conseguindo de uma forma muito harmoniosa e eficaz integrar os cuidados hospitalares, os cuidados de saúde primários e uma empresa do sector privado”, sublinha a vogal do Conselho de Administração do CHL, Dr. ª Alexandra Borges.

O programa, efetuado de forma autónoma no domicílio, segundo instruções fornecidas através da plataforma informática, inclui exercícios predefinidos de acordo com a patologia. A colocação de sensores permite ao doente ter um feedback relativamente ao cumprimento do plano, assim como a sua monitorização à distância.

“Além da qualidade dos cuidados, há outros aspetos que este programa beneficia, como a abrangência dos cuidados, já que nos permite chegar a mais pessoas e também garantir-lhes o conforto de poderem desenvolver a terapia nas suas casas, acompanhados a todo o momento por profissionais de reabilitação”, acrescenta a representande do CHL.

“Estamos a trabalhar diariamente para melhorar ainda mais o projeto e as sinergias entre todos os parceiros, e cremos que os nossos utentes poderão aprender os exercícios e integrá-los na sua rotina diária, assim como, no futuro, beneficiar de novos protocolos para outras patologias”, refere a Dr.ª Mafalda Bártolo, diretora do serviço de Medicina Física e Reabilitação do CHL, acrescentando que “estão de parabéns também os utentes, que receberam muito bem o programa e o cumprem de forma exemplar”.

Desde o início do mês de março, foram incluídos no programa cerca de 50 doentes, que realizaram o plano de exercícios definido num regime de cinco a sete dias de tratamento por semana, durante quatro semanas. Sendo possível acompanhar 30 doentes em simultâneo por mês, estima-se que este programa inovador possa chegar a cerca de 200 doentes em 2018.

A seleção dos doentes começou a ser feita a partir da lista de espera existente para fisioterapia. Atualmente, os doentes que são enviados à consulta de Fisiatria com patologia degenerativa do ombro ou joelho, e cumprem os restantes critérios para o programa de telerreabilitação, são referenciados diretamente para este programa de exercício terapêutico domiciliário.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019