Desafios da indústria farmacêutica na Europa: a importância de um sistema de Saúde focado em resultados
03/07/2018 14:52:05
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Desafios da indústria farmacêutica na Europa: a importância de um sistema de Saúde focado em resultados

“Um Compromisso com as Pessoas. Desafios da Indústria Farmacêutica na Europa” foi o tema da conferência promovida esta manhã em Lisboa pela Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA), que contou com a presença do presidente da Federação Europeia da Indústria Farmacêutica (EFPIA). Em entrevista à News Farma, o Prof. Doutor Stefan Oschmann enumera os principais desafios futuros da indústria farmacêutica, sublinhando a importância dos sistemas de saúdes focados em resultados. O especialista fala ainda sobre o panorama da inovação em Portugal. Assista ao vídeo.

Na sua apresentação, o Prof. Doutor Stefan Oschmann começou por frisar que “a esperança de vida na Europa aumentou mais de uma década nos últimos 50 anos”, muito devido ao aparecimento de novas terapêuticas. Encontram-se atualmente mais de 7000 medicamentos em desenvolvimento, “razão para ser otimista sobre um futuro mais saudável para a Europa”. O especialista destacou ainda que “nos próximos cinco anos, espera-se que muitos medicamentos mais promissores se tornem disponíveis”, salientando áreas como terapias com células CAR-T, terapias combinadas, terapia de genes, terapia celular, tratamentos antibacterianos e tratamentos para o Alzheimer.

Contudo, o presidente da EFPIA dá conta que “os nossos sistemas de saúde estão a enfrentar desafios sem precedentes”, uma vez que, até 2025, a população aumentará em um bilião, irão haver mais 500 milhões de pessoas com mais de 50 anos e as doenças crónicas representarão 70% de todas as doenças.

Neste sentido, o Prof. Doutor Stefan Oschmann enumera “três pontos principais para a reforma do sistema”: parcerias que envolvam todos os stakeholders da Saúde, uma prática regulatória para apoiar a investigação e desenvolvimento (I&D) e incentivos farmacêuticos.

O especialista sublinha que a EFPIA “acredita que um sistema de saúde focado em resultados beneficiará mais os doentes, reduzindo a variação, identificando o desperdício e apoiando a sustentabilidade do sistema de saúde”.

A abertura do encontro esteve a cargo do Dr. João Almeida Lopes, presidente da APIFARMA, a quem se seguiu o Dr. Heitor Costa, diretor executivo da Associação, que fez uma “Breve Panorâmica da Inovação em Portugal”.

O Dr. Heitor Costa salienta que “o acesso à inovação em Portugal tem melhorado nos últimos tempos em termos de aprovações de mais medicamentos”. Contudo, o especialista reconhece que “temos ainda um longo caminho a percorrer para nos compararmos a outros países da Europa”, salientando que “os nossos tempos de decisão e financiamento de medicamentos inovadores, alguns deles para necessidades médicas não satisfeitas, são muito longos”. Assista ao vídeo da entrevista.  

Também o diretor executivo da APIFARMA reconhece a importância de um sistema de saúde focado em resultados, pois “é aquele verdadeiramente centrado no doente”, que “evita desperdícios” e “melhora a Saúde de forma mais sustentável e permanente no tempo”.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019