Artrite reumatoide: upadacitinib em monoterapia atinge objetivos primários e secundários em estudo de fase 3
03/07/2018 10:33:30
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Artrite reumatoide: upadacitinib em monoterapia atinge objetivos primários e secundários em estudo de fase 3

A AbbVie anunciou recentemente novos resultados positivos do ensaio clínico de fase 3 SELECT-EARLY, que demonstram que ambas as doses de upadacitinib em monoterapia (15 mg e 30 mg) atingiram os objetivos primários ACR50 à semana 12 e remissão clínicab à semana 24, em comparação com metotrexato (MTX). Todos os objetivos secundários foram também alcançados.

O estudo em curso avalia upadacitinib, um inibidor oral seletivo de JAK1 em investigação, em monoterapia vs. metotrexato em monoterapia, em doentes adultos com artrite reumatoide moderada a grave sem tratamento prévio com metotrexato. O medicamento não está aprovado pelas autoridades regulamentares e a sua segurança e eficácia ainda não foram estabelecidas.

Num comunicado divulgado à comunicação social, o vice-presidente executivo do departamento de investigação e desenvolvimento e diretor científico da AbbVie, Dr. Michael Severino, refere que o “SELECT-EARLY é o quinto ensaio que irá sustentar a submissão às autoridades regulamentares do pedido de autorização de introdução no mercado de upadacitinib na artrite reumatoide, no final deste ano”. “Os resultados do estudo SELECT-EARLY vêm confirmar a nossa convicção quanto ao potencial de upadacitinib como opção terapêutica importante para os doentes com artrite reumatoide”, acrescenta.

A artrite reumatoide é uma doença crónica e debilitante que afeta um número estimado de 23,7 milhões de pessoas em todo o mundo. O metotrexato é frequentemente utilizado como terapêutica de primeira linha na artrite reumatoide, mas muitos doentes não respondem à terapêutica ou são intolerantes a metotrexato. A intervenção precoce com uma terapêutica eficaz é fundamental para controlar a doença e inibir a destruição articular permanente e a perda da função física.

“É muito encorajador que cerca de metade dos doentes tenha alcançado o objetivo clínico de remissão pretendido ao fim de seis meses com upadacitinib em monoterapia, em qualquer das doses. Os resultados deste ensaio vêm responder à necessidade de opções adicionais em monoterapia na fase inicial da doença”, afirma o Dr. Ronald van Vollenhoven, diretor do Centro de Reumatologia e Imunologia (ARC) de Amesterdão e professor de Reumatologia na Universidade de Amesterdão e na Free University. “Os resultados sugerem que upadacitinib em monoterapia tem potencial para controlar a artrite reumatoide e reduzir o risco de lesões ósseas e articulares permanentes, em doentes não tratados previamente com metotrexato”, sublinha.

Uma maior percentagem de doentes (diferença estatisticamente significativa) tratados com upadacitinib, com ambas as doses, alcançou resposta clínica, em comparação com os doentes tratados com metotrexato, às semanas 12 e 24. Os resultados à semana 12 mostraram que, dos doentes tratados com uma dose oral de upadacitinib 15/30 mg uma vez por dia, 52 a 56% alcançaram ACR50, respetivamente, comparativamente a 28% dos doentes tratados com metotrexato. À semana 24, 48 a 50% dos doentes tratados com upadacitinib 15/30 mg, respetivamente, alcançaram remissão clínica (avaliada pelo Índice de Atividade da Doença (proteína C reativa) (DAS28 [PCR])), em comparação com 18% dos doentes tratados com metotrexato.

À semana 12, 76 a 77% dos doentes tratados com 15/30 mg de upadacitinib alcançaram ACR20, respetivamente, em comparação com 54% dos doentes no grupo de metotrexato. Além disso, 32 a 37% dos doentes tratados com 15/30 mg de upadacitinib, respetivamente, alcançaram ACR70, comparativamente com 14% dos doentes tratados com metotrexato, à semana 12. 36 e 41% dos doentes nos grupos de 15 mg e 30 mg, respetivamente, alcançaram remissão clínica, em comparação com 14% dos doentes tratados com metotrexato, à semana 12. 53 e 55% dos doentes nos grupos de 15 mg e 30 mg, respetivamente, alcançaram baixa atividade da doença (LDA)c, avaliada pelo DAS28(PCR), em comparação com 28% dos doentes tratados com metotrexato, à semana 12.

À semana 24, 79/60/44% dos doentes tratados com upadacitinib 15 mg e 78/66/50% dos doentes tratados com upadacitinib 30 mg alcançaram resposta ACR20/50/70, em comparação com 59/33/18% dos doentes tratados com metotrexato. 60 e 65% dos doentes nos grupos de 15 mg e 30 mg, respetivamente, alcançaram baixa atividade da doença, comparativamente com 32% dos doentes tratados com metotrexato, à semana 24.

Após 24 semanas de tratamento, ambas as doses de upadacitinib em monoterapia inibiram a progressão radiográfica, medida pela variação no índice total de Sharp modificado (mTSS) em relação aos valores na avaliação inicial, comparativamente com metotrexato com diferenças estatisticamente significativas entre os grupos. A inibição da destruição articular é importante para os doentes com artrite reumatoide, pois estas podem levar à perda de função permanente e consequente incapacidade.

Neste estudo, o perfil de segurança de upadacitinib foi consistente com os resultados reportados anteriormente nos outros ensaios SELECT na artrite reumatoide. Não foram detetados novos sinais de segurança. Até à semana 24, foram reportados acontecimentos adversos graves em 5/6% dos doentes nos grupos de upadacitinib 15 mg/30 mg, respetivamente, em comparação com 4% no grupo de metotrexato.
Ocorreram infeções graves em 2/3% dos doentes nos grupos de upadacitinib 15 mg/30 mg, respetivamente, comparativamente a 1% no grupo de metotrexato. Registaram-se seis mortes até à semana 24, três das quais resultantes de acontecimentos adversos cardiovasculares major (MACE), uma em cada grupo terapêutico (metotrexato, upadacitinib 15 mg e upadacitinib 30 mg, respetivamente).

Registou-se uma morte no grupo de upadacitinib 15 mg devido a melanoma maligno metastático num doente com historial de melanoma prévio à entrada no estudo, e duas mortes no grupo de upadacitinib 30 mg, uma devido a pneumonia e sepsis e outra devido a peritonite. Ocorreram quatro MACE, incluindo os três acontecimentos fatais acima referidos. Foi notificado um MACE não fatal adicional no grupo de upadacitinib 30 mg. Ocorreram dois casos de tromboembolismos venosos (TEV) no estudo, uma embolia pulmonar no grupo de metotrexato, uma trombose venosa profunda no grupo de upadacitinib 30 mg e nenhum caso no grupo de upadacitinib 15 mg.

Até à data, em todo o programa SELECT na artrite reumatoide (com mais de 3300 doentes-anos de exposição a upadacitinib), as taxas de TEV, tanto no período controlado com placebo como no período de extensão, mantêm-se consistentes com a taxa de base para a população de doentes com artrite reumatoide.

Resultados adicionais do estudo SELECT-EARLY serão apresentados numa reunião médica a realizar futuramente e publicados numa publicação peer-reviewed.

A AbbVie planeia submeter às autoridades regulamentares o pedido de autorização de introdução no mercado de upadacitinib para o tratamento da artrite reumatoide na segunda metade de 2018, a nível global

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019