Telerrastreio dermatológico vai ser obrigatório na referenciação para a primeira consulta de Dermato-Venereologia
02/07/2018 13:01:03
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Telerrastreio dermatológico vai ser obrigatório na referenciação para a primeira consulta de Dermato-Venereologia

A partir de 1 de outubro de 2018, a referenciação para a primeira consulta de especialidade hospitalar de Dermato-venereologia, realizada pelos cuidados de saúde primários do Serviço Nacional de Saúde (SNS), será efetuada obrigatoriamente através da utilização de telerrastreio dermatológico. O despacho foi publicado no último dia 28 de junho, quinta-feira, e assinado pelo secretário de estado adjunto e da Saúde, Dr. Fernando Araújo.

De acordo com o diploma, a utilização da telemedicina, associada a uma adequada articulação entre os cuidados de saúde primários e os cuidados de saúde hospitalares, permite a observação e o diagnóstico mais próximos da área de residência do utente. Além disso, ajuda a qualificar a referenciação, evitando orientação hospitalar de casos semelhantes.

Por outro lado, acrescenta o despacho, “a abordagem do telerrastreio dermatológico reduz o tempo utilizado pelos médicos de Dermato-venereologia na tomada de decisão clínica, potenciando o aumento da acessibilidade e equidade às consultas desta especialidade”.

Para a implementação deste serviço no SNS, o qual se encontrará concluído até julho de 2018, foi efetuado um investimento na aquisição de máquinas fotográficas digitais, num total de mil equipamentos, que foram distribuídos pelas unidades de cuidados de saúde primários.

Desta forma, a referenciação para a primeira consulta de especialidade hospitalar de Dermato-venereologia passar é a ser efetuada obrigatoriamente através da utilização de telerrastreio dermatológico, associando a imagem à adequada informação clínica, com a exceção dos casos em que o doente não tenha manifestado o seu acordo. Nestas situações, “essa manifestação deve ser expressa por escrito” e constar do processo clínico do doente, lê-se no despacho.

Fonte: SNS


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019