Fórum D: especialistas recomendam seguir os valores de referência de vitamina D
28/06/2018 15:27:40
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Fórum D: especialistas recomendam seguir os valores de referência de vitamina D

Atualmente, existem duas referências de normalidade para os valores séricos de vitamina 25(OH)D, ambas com origem nos Estados Unidos da América. Uma delas é do Institute of Medicine (IOM), de 2011, que considera como normais os valores superiores a 20ng/ml. Já a Endocrinology Society (ES) defende valores normais acima de 30 ng/ml. À pequena diferença entre eles a ES atribui a designação de “insuficiência”.

 

É importante notar que estes valores de referência devem entender-se como valores desejáveis do ponto de vista biológico e não como uma normalidade de base estatística. Na verdade, não seria adequado usar uma base meramente estatística quando se sabe que a prevalência da carência de vitamina D é tão elevada na população em geral. O que ambas as entidades procuraram foi estabelecer valores mínimos que garantissem a homeostase dos sistemas dependentes de vitamina D.

O IOM considera, no seu relatório, que vários estudos demonstram que níveis séricos de 25(OH)D inferiores a 12 ng/ml (30 nmol/L) estão associados e efeitos negativos. Entre eles registam-se o aumento de risco de raquitismo, a alteração da absorção de cálcio em todos os grupos etários, a diminuição de densidade mineral óssea em crianças e adolescentes, o aumento de risco de osteomalácia e o aumento do risco de fratura em idosos. Por outro lado, considerou não haver evidência de que estes indicadores melhorem para valores de 25(OH)D acima dos 20 ng/ml( 50 nmol/L).

Com base nestes dados, e considerando já a variabilidade das necessidades biológicas entre indivíduos, o IOM definiu como ingestão diária recomendada (recommended dietary allowance – RDA), ou seja, o valor considerado suficiente para satisfazer as necessidades de pelo menos 97,5% da população, a dose de 800 UI/dia, o que conduz a níveis séricos da ordem de 20 ng/mL (~50nmol/L).

É importante realçar que os valores definidos pelo IOM baseiam-se apenas no efeito da vitamina D na saúde óssea, excluindo qualquer outro potencial benefício.

Concluindo, os valores de referência para níveis séricos de vitamina D, de acordo com o IOM, são: risco de deficiência <30 nmol/L (12ng/mL), risco de níveis inadequados 30-50 nmol/L (12-20 ng/ml), normal ≥50 nmol/L (≥20 ng/ml).

Por sua vez, a posição da ES baseia-se em dados epidemiológicos que evidenciam benefício para a saúde em associação a níveis séricos de 25(OH)D >30ng/mL (70 nmol/L), incluindo diminuição do risco de quedas, melhor adesão dentária, menor risco de neoplasia colo-retal, melhoria da depressão e bem-estar. Ao contrário do IOM, considera existir evidência de um aumento de risco de fratura quando os níveis séricos de vitamina D são inferiores a 30 ng/mL. Além disso, indica que os níveis de Parathormona (PTH) aumentam com níveis baixos de 25(OH)D, atingindo um plateau quando valores de Vitamina D atingem os 30ng/ml. Observa-se um comportamento semelhante, ainda que inverso, com a calcémia.

Desta forma, a ES define como valores de referência para a 25(OH)D sérica os seguintes: deficiência severa <10 ng/mL, deficiência moderada <20ng/mL, insuficiência 20-29 ng/mL, normalidade 30-100 ng/mL. Só se consideram excessivos os valores superiores a 100ng/mL, o que só ocorre com doses diárias bastante elevadas e prolongadas.

Para mais informação, consulte aqui o site oficial do Fórum D.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019