Octapharma vence concurso público internacional e prepara-se para processar mais de 30 mil litros de plasma
28/06/2018 12:26:11
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Octapharma vence concurso público internacional e prepara-se para processar mais de 30 mil litros de plasma

A Octapharma Produtos Farmacêuticos, Lda. acaba de vencer o concurso público internacional para o fracionamento do plasma nacional, com o visto do Tribunal de Contas. A partir do próximo mês de julho, a empresa vai dar início à recolha do plasma de dadores nacionais, num programa que vai permitir o processamento de 30 mil litros de plasma.

 

Incluídas no processamento industrial do plasma vão estar as etapas de separação e purificação de proteínas presentes na componente líquida do sangue, nomeadamente imunoglobulina, albumina e fator VIII. Estas proteínas vão ser, posteriormente, submetidas a processos de inativação e remoção de agentes patogénicos.

Os medicamentos daí resultantes vão ser sujeitos a testes pelas autoridades de Saúde, com vista à sua utilização clínica. Estes têm como fim o tratamento de um grande número de doenças, tais como imunodeficiências primárias e secundárias, doença neurológica, transplante de medula óssea alogénico e coagulopatias congénitas.

“A aprovação do concurso de fracionamento do plasma nacional pelo tribunal de contas, que permitirá dar início ao programa nacional de fracionamento, é um importante momento de mudança. São inúmeras as vantagens de um programa de fracionamento: não só clínicas e económicas, mas também éticas e morais”, refere o diretor-geral da Octapharma.

“É com grande orgulho e sentido de dever e de responsabilidade que a Octapharma aplicará todos os seus recursos técnicos, científicos e humanos para o processamento do plasma nacional, sempre com o rigor e a qualidade que caracterizam a empresa. Deste modo, inúmeros doentes em Portugal beneficiarão dos medicamentos produzidos pela Octapharma a partir da dádiva benévola, anónima e voluntária de sangue, evitando o desperdício de um recurso biológico de valor inestimável”, conclui o Dr. Eduardo Marques.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019