FPC e Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca integram campanha mundial na área da insuficiência cardíaca
FPC e Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca integram campanha mundial na área da insuficiência cardíaca

Portugal vai integrar o Acting on Heart Failure, uma campanha de sensibilização para a insuficiência cardíaca (IC) liderada por 21 associações de doentes de todo o mundo e que decorre em 40 cidades até ao final de maio, mês do coração. A Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) e a Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca são as instituições nacionais que integram esta iniciativa.

Como objetivos, a campanha pretende tornar a patologia como uma prioridade ao nível da política de saúde e sensibilizar a população para o impacto desta doença, que afeta 60 milhões de pessoas em todo o mundo e meio milhão em Portugal.

O projeto mundial conta com o apoio das câmaras municipais e da Novartis. Lisboa integra o leque das 40 cidades envolvidas no Acting on Heart Failure e encerra o programa de atividades a nível mundial, através de um ciclo de sessões de esclarecimento para a população sénior. A primeira sessão decorre já no próximo dia 30 de maio, às 11h00, na Universidade Internacional de Benfica e conta com a intervenção de profissionais de saúde e doentes.

Num comunicado divulgado à comunicação social, o Prof. Doutor Manuel Carrageta, presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC), refere que "não existe cura para a IC e esta é considerada a principal causa de hospitalização em pessoas com mais de 65 anos”.

Neste sentido, sublinha a importância de “mudar o paradigma da doença em Portugal e no mundo, uma vez que cerca de 50% dos doentes morrem aproximadamente cinco anos após o diagnóstico”. “Com este projeto, esperamos mobilizar as entidades políticas e conseguir contribuir para inverter estas estatísticas, que são uma preocupação constante para a FPC”, acrescenta.

Já o presidente da Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca, Dr. Vicente Moura, afirma que a “IC tem sido uma condição amplamente negligenciada e subvalorizada nas políticas de saúde. O acompanhamento destes doentes nos cuidados de saúde primários representa para a economia nacional um custo médio anual de 552 euros por doente (2014)”.

Desta forma, o especialista acredita que esta iniciativa, ao decorrer a nível global, “ganha força para pressionar as entidades governamentais a implementarem medidas que contribuam para melhorar a qualidade de vida destes doentes e simultaneamente baixar a carga económica que a doença acarreta”.

Um em cada cinco indivíduos com mais de 40 anos irá desenvolver IC durante a sua vida. A doença apresenta um grande peso a nível económico e está a atingir proporções epidémicas, números que tendem a aumentar com o envelhecimento da população.

 

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019