Câmara Municipal de Lisboa apresenta estratégia para eliminar o VIH/SIDA da cidade
18/05/2018 17:51:10
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Câmara Municipal de Lisboa apresenta estratégia para eliminar o VIH/SIDA da cidade

A Praça de São Paulo, em Lisboa, recebeu ontem, 17 de maio, uma equipa multidisciplinar de parceiros para assinarem um protocolo de colaboração assente no compromisso de contribuírem com conhecimento, experiência e recursos, para acelerar a resposta à epidemia do VIH/SIDA na cidade de Lisboa, no âmbito do protocolo internacional Fast-Track Cities. As três cidades portuguesas – Cascais, Lisboa e Porto – aderiram em maio de 2017, foi criado um grupo de trabalho liderado pelo Prof. Doutor Kamal Mansinho e cada cidade está a apresentar uma estratégia adaptada à respetiva realidade.

“É tempo de congregar esforços, sendo a literacia local fundamental para ajudar a mudar a realidade”, referiu o Dr. Fernando Araújo, secretário de Estado adjunto e da Saúde, cujas palavras antecederam os vários painéis dedicados a diferentes temas, como o papel das farmácias comunitárias ou a profilaxia pré-exposição ao VIH.

Assim, para além da assinatura oficial do protocolo, estiveram nesta praça lisboa representantes das entidades envolvidas nesta iniciativa, tais como a Dr.ª Isabel Aldir, a Dr.ª Helena Cortes Martins, a Prof.ª Ana Paula Martins, o Prof. Doutor Kamal Mansinho, o Prof. Doutor Fernando Maltez, Luís Mendão, Dr. Vítor Papão, entre muitos outros. Houve espaço para uma performance de Paolo Gorgoni, que incluía o laço vermelho que simboliza a infeção VIH/SIDA.

Ricardo Robles é vereador da Câmara Municipal de Lisboa na área da Educação e Direitos Sociais e integra a equipa formada para alcançar a meta, nesta cidade, com base na estratégia delineada. Segundo disse em entrevista à News Farma, “a nível nacional, Lisboa é um território onde ainda há uma grande incidência de VIH/SIDA, portanto temos de acelerar a resposta e esse é o objetivo das Fast-Track Cities. Queremos atuar em três eixos: aumentar o número de diagnósticos, ou seja, garantir que as pessoas com VIH são diagnosticadas; assegurar que há tratamento eficaz para todas as pessoas; garantir que estamos a anular a carga viral das pessoas infetadas com VIH/SIDA”. O vereador frisou também que o compromisso será “juntar todas as organizações que estão nesta área e conjugar esforços no sentido de eliminar esta epidemia na cidade de Lisboa”.

Os outros elementos desta equipa são o Dr. Fernando Araújo, secretário de Estado adjunto e da Saúde, a Prof.ª Doutora Teresa Pizarro Beleza, diretora da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, Prof. Doutor Henrique Barros, presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, Paolo Gorgoni, representante comunitário, e Sofia Ribeiro, gestora de projeto do Grupo de Ativistas em Tratamentos (GAT).   


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019