Sociedade Portuguesa de Hipertensão associa-se ao maior registo mundial de hipertensão arterial
Sociedade Portuguesa de Hipertensão associa-se ao maior registo mundial de hipertensão arterial

Pela primeira vez, a Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH) associa-se a um registo mundial da pressão arterial, coordenado pela Sociedade Internacional de Hipertensão (ISH). A decisão, que surge no âmbito do Dia Mundial da Hipertensão, assinalado a 17 de maio, pretende dar continuidade ao objetivo de conhecer os valores de pressão arterial dos portugueses.

 

O MMM é o nome da iniciativa da ISH, apoiada pela World Hypertension League (WHL), que tem o intuito de continuar a sensibilizar a população para a necessidade de medir a sua pressão arterial.

Num comunicado divulgado à comunicação social, o presidente da SPH, Dr. Carvalho Rodrigues, refere que “é um privilégio poder participar num programa desta dimensão, que vai com certeza estabelecer bases sólidas para aumentar significativamente o entendimento e a consciencialização dos portugueses sobre a hipertensão arterial”.

Nesta iniciativa estarão envolvidos, não só o Centro de Saúde São João da Madeira e o Hospital Egas Moniz do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, mas também o Hospital Garcia de Orta, o Hospital Pêro da Covilhã do Centro Hospitalar Cova da Beira e o Hospital São Sebastião do Centro Hospitalar Entre Vouga e Douro.

 

“Conheça os seus valores. Controle a sua pressão arterial”

O lema para o Dia Mundial da Hipertensão de 2018 é “Conheça os seus valores. Controle a sua pressão arterial”. Este ano, a cidade eleita pela SPH para acolher as atividades comemorativas é Almada.

A hipertensão é uma doença silenciosa que afeta 42% dos portugueses. Especialmente neste dia, a SPH relembra a importância de medir a pressão arterial frequentemente, cujos valores devem ser inferiores a 14/9.

Praticar exercício físico regular, adotar uma alimentação saudável com baixo teor de sal e cumprir a toma da medicação prescrita fazem também parte das mensagens que a SPH quer transmitir neste dia.

Ainda de acordo com o Dr. Carvalho Rodrigues, "em Portugal, apesar de quase 75% dos doentes estarem medicados, ainda só se atingiu 42% do controlo da doença, facto que se deve sobretudo ao não cumprimento rigoroso da medicação".

O especialista explica, ainda, que “o controlo da hipertensão arterial faz-se através da medição da pressão arterial, mas também através do cumprimento rigoroso da medicação prescrita pelo médico". No entanto, e "infelizmente, muitos doentes não cumprem a medicação ou abandonam a mesma, o que, por conseguinte, vai dificultar o controlo da doença".

"Largar a medicação porque já se está bem ou porque não se sentiu bem com os comprimidos ou ainda porque se sente bem com a tensão alta são alguns do mitos e equívocos responsáveis pelo abandono do tratamento para a hipertensão arterial", alerta o presidente da SPH.

Neste sentido, considera que "deve existir, cada vez mais, a preocupação de promover terapêuticas e posologias simples e, simultaneamente, eficazes, para aumentar a taxa de adesão ao tratamento". "Nunca é demais reforçar a velha máxima de que um comprimido só faz efeito quando é tomado", acrescenta.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019