Administração de células estaminais do sangue do cordão umbilical é segura em crianças autistas
02/04/2018 15:06:29
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Administração de células estaminais do sangue do cordão umbilical é segura em crianças autistas

Foram recentemente publicados na revista Stem Cells Translational Medicine os resultados de um ensaio clínico que revelam que a administração de sangue do cordão umbilical autólogo, ou seja, do próprio, é totalmente segura e bem tolerada por crianças com perturbações do espectro do autismo (PEA). Os investigadores recomendam a realização de mais estudos que possam confirmar o potencial deste tipo de terapia em crianças com PEA.  

O estudo decorreu durante 49 semanas e envolveu 29 crianças com PEA com idades compreendidas entre os dois e os sete anos. Os autores referem que, inicialmente, observaram melhorias no grupo que recebeu células estaminais, em comparação com o grupo placebo, na pontuação obtida na Escala de Comportamento Adaptativo de Vineland, um teste frequentemente utilizado para avaliar diversas competências, nomeadamente ao nível da comunicação, socialização, função motora e autonomia. 

Em termos estatísticos, esta melhoria acabou por não se revelar significativa, no entanto, os autores referem que a tendência observada, de melhoria no grupo que recebeu células estaminais, vai ao encontro dos resultados obtidos por investigadores da Universidade de Duke, nos EUA, num ensaio clínico que também testou a administração de sangue do cordão umbilical autólogo a crianças com PEA. 

“De acordo com o instituto Sutter Health, responsável pelo ensaio clínico, os pais que emitiram opinião acerca do estudo demonstraram grande satisfação relativamente às melhorias observadas nos seus filhos. A autonomia, compreensão global da linguagem, comunicação e socialização foram algumas das competências em que os pais observaram claras melhorias”, refere a Dr.ª Bruna Moreira, investigadora do Departamento de I&D da Crioestaminal. 

A investigadora acrescenta ainda que “a incidência das PEA tem vindo a aumentar ao longo das últimas décadas e, apesar de ser possível realizar algumas intervenções ao nível comportamental, não existe cura para estas disfunções, pelo que é de extrema importância investir em estudos clínicos nesta área”.

Atualmente, as PEA afetam cerca de 60 em cada 10 mil crianças em todo o mundo e incluem um conjunto heterogéneo de disfunções de ordem neurológica, caracterizadas por alterações no normal desenvolvimento da criança, nomeadamente ao nível da comunicação, linguagem, comportamento e interação social. Em Portugal, o autismo afeta cerca de uma em cada mil crianças. 

Dia Mundial da consciencializacao do AUTISMO 7c619


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019