Novos resultados positivos de dolutegravir para o tratamento de pessoas coinfetadas por VIH/tuberculose
26/03/2018 17:39:25
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Novos resultados positivos de dolutegravir para o tratamento de pessoas coinfetadas por VIH/tuberculose

A ViiV Healthcare, com a Pfizer Inc. e a Shionogi Limited como acionistas, anunciou os resultados do estudo INSPIRING, que indicam que dolutegravir, quando administrado 50mg duas vezes por dia com dois análogos nucleósidos inibidores da transcriptase reversa (NITR), foi eficaz e bem tolerado em adultos coinfetados por VIH/tuberculose a fazer terapêutica baseada em rifampicina para o tratamento da tuberculose. Os resultados foram apresentados na Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections (CROI, reunião que decorreu de 4 a 7 de março, em Boston.

O estudo INSPIRING é um estudo de fase IIIb, não-comparativo, controlado, aleatorizado, aberto em doentes adultos infetados por VIH-1 coinfetados com TB sensível a antibacilares. Dos 113 participantes a fazer terapêutica baseada em rifampicina para a tuberculose durante oito semanas, 69 foram aleatorizados para receber dolutegravir (50mg duas vezes por dia durante a terapêutica para a TB e até duas semanas depois do término da mesma, seguido de 50mg uma vez por dia) com dois NITRs e 44 para receber efavirenz (600mg uma vez por dia) com dois NITRs. O endpoint primário do estudo é a proporção de doentes a fazer tratamento com dolutegravir com ARN de VIH-1 < 50 cópias/mL à semana 48.1 O estudo, realizado na Argentina, Brasil, México, Perú, Rússia, África do Sul e Tailândia, não foi desenhado com o objetivo de demonstrar a diferença estatística entre os braços de tratamento e não foi testada nenhuma hipótese estatística formal.

Uma análise interina às 24 semanas demonstrou que a proporção de doentes que manteve a supressão virológica (ARN de VIH-1 inferior a 50 cópias/mL) no braço de tratamento com dolutegravir foi 56/69 (81%) (intervalo de confiança IC 95%: 72%, 90%).1 No braço de tratamento com efavirenz, 39/44 doentes (89%) (IC 95%: 79%, 98%) mantiveram a supressão virológica. Zero doentes em tratamento com dolutegravir e dois doentes em tratamento com efavirenz descontinuaram devido a acontecimentos adversos, enquanto cinco participantes (7%) em tratamento com dolutegravir e nenhum em tratamento com efavirenz descontinuaram devido a razões não associadas ao tratamento (perda de seguimento/desvio do protocolo).1 Não foi reportada a emergência de mutações de resistência no braço de tratamento com dolutegravir e foi reportada a emergência de uma mutação de resistência no braço de tratamento com efavirenz.1 A taxa de incidência da síndrome de reconstituição imunológica associada à TB (IRIS) foi reduzida em ambos os braços de tratamento (dolutegravir, n=4; efavirenz n=4) sem nenhuma descontinuação devido a IRIS ou acontecimentos adversos hepáticos.1 O estudo INSPIRING está em curso e os resultados das 48 semanas serão apresentados numa próxima conferência científica.

O Chief Scientific and Medical Officer da ViiV Healthcare, Dr. John C Pottage, explica que “a tuberculose continua a ser a principal causa de morte das pessoas que vivem com VIH, sendo responsável por cerca de uma em cada três mortes associadas à SIDA". O especialista destaca ainda a importância do estudo INSPIRING, tendo em conta que "o tratamento concomitante da tuberculose e da infeção por VIH continua a ser um desafio, uma vez que é dificultado por interações medicamentosas, sobreposição de toxicidades e pela síndrome de reconstituição imunológica".

Em 2016, havia 10,4 milhões de casos estimados de tuberculose globalmente, incluindo 1,2 milhões (11%) entre as pessoas que vivem com VIH (PLHIV). Apesar do número de mortes associadas à tuberculose entre as pessoas que vivem com VIH ter vindo a diminuir progressivamente (diminuição de 33% entre 2005 e 2015), quase 60% dos casos desta patologia em pessoas que vivem com VIH não foram diagnosticados nem tratados, resultando em 390 mil mortes associadas à tuberculose em doentes VIH em 2015.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019