Sociedade Portuguesa de Diabetologia alerta: Plano Nacional para a Diabetes não está a ser tratado como prioritário
23/03/2018 17:00:06
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Sociedade Portuguesa de Diabetologia alerta: Plano Nacional para a Diabetes não está a ser tratado como prioritário

O Plano Nacional para a Diabetes (PND) da Direção-Geral da Saúde, assumido pelo governo como prioritário, está a ser deixado para trás, em modo "autogestão" e são os doentes quem sofrem as consequências. O alerta é do Dr. Rui Duarte, presidente da Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD), que refere que o PND se encontra sem diretor-geral desde 1 de janeiro de 2018.

Em comunicado, a SPD refere que os efeitos da falta de direção a nível nacional se têm notado, "uma vez que nem todas as Unidades Coordenadoras Funcionais da Diabetes (UCFDs) estão a andar à mesma velocidade, no que toca às estratégias de tratamento/acompanhamento das pessoas com diabetes, bem como nos esforços de diagnóstico e prevenção". A Sociedade dá o exemplo dos casos de rastreios de retinopatia diabética, que "não estão organizados a nível nacional de forma eficaz, o que se reflete na forma como esta doença é tratada e gerida no Serviço Nacional de Saúde".

No entanto, tal como explica a Sociedade, "o despacho n.º 3052/2013 do Gabinete de Secretário de Estado Adjunto do Ministério da Saúde de 18 de fevereiro de 2013 determinou a criação de UCFDs, consultas autónomas de diabetes nos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACeS) e de Unidades Integradas da Diabetes (UID), nos hospitais”.

Em comunicado, a SPD relembra parte do Memorando de Vilamoura 2018, documento que reúne as conclusões de quem participou no 3.º Encontro das UCFDs, no qual se estabelece como prioridade a “nomeação de um diretor para o PND, que prossiga a sua implantação e o reconhecimento do trabalho desenvolvido pelos profissionais de Saúde dedicados à diabetes”.

Este documento, que pretende apresentar os anseios e as vontades das UCFDs às entidades competentes, foi enviado à diretora-geral da Saúde, com conhecimento do secretário de estado adjunto do Ministério da Saúde e do ministro da Saúde, a 12 de março. O Memorando de Vilamoura 2018 foi assinado pelos coordenadores regionais do Programa da Diabetes das Administrações Regionais de Saúde (ARSs) do Centro, de Lisboa e Vale do Tejo, do Alentejo e do Algarve e pelo presidente da SPD, que, até ao momento, não obtiveram resposta.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019