Investigação viabiliza nova terapêutica em vários tipos de cancro
03/01/2018 16:39:52
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Investigação viabiliza nova terapêutica em vários tipos de cancro

Uma investigação do Departamento de Genética Humana do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Instituto Ricardo Jorge) permitiu descobrir que a proteína mTOR (mechanistic target of rapamycin), que se encontra «hiperativada» na maior parte dos cancros pode ser produzida no organismo através de um mecanismo alternativo da iniciação da síntese proteica. Esta descoberta abre a possibilidade para o estabelecimento de uma nova estratégia terapêutica em diversos tipos de cancro.

A informação divulgada esta manhã na página do Instituto refere que os resultados mostram também que este mecanismo se encontra ativo, tanto em condições normais como em condições de baixa oxigenação, como é o caso dos tumores sólidos. A descoberta não se limita às doenças oncológicas abarcando também a diabetes e doenças cardiovasculares.

A proteína mTOR está envolvida na resposta celular a estímulos ambientais, fazendo parte de vias ou cascatas de sinalização dirigidas à regulação da expressão dos genes. Segundo a Dr.ª Luísa Romão, investigadora do Departamento de Genética Humana e uma das autoras do trabalho, estas observações, além de contribuírem para o conhecimento da regulação da expressão do mTOR, podem também abrir a possibilidade de estabelecimento de uma nova estratégia terapêutica, através da inibição da via alternativa de síntese desta proteína.

“Têm sido desenvolvidos vários compostos para inativar a via de sinalização em que se insere o mTOR, estando alguns deles já a ser testados em ensaios clínicos. Dado que muitos desses compostos possuem alvos não específicos com potenciais efeitos adversos, a inibição direta do mTOR através da inativação do mecanismo alternativo da sua síntese pode ser a próxima forma de contrariar a híper-ativação desta proteína em diversos tipos de cancro e, assim, bloquear a sua progressão”, explica a investigadora do Instituto Ricardo Jorge.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019