Patient Innovation premeia doentes e cuidadores inovadores
28/11/2017 16:49:28
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Patient Innovation premeia doentes e cuidadores inovadores

A Patient Innovation atribuiu hoje os Patient Innovation Awards, numa conferência organizada pela Comissão Europeia, em colaboração com o Governo português e a Fundação Calouste Gulbenkian, intitulada “Opening up to an era of social innovation”. Este ano, a associação voltou a atribuir prémios a doentes inovadores de todo o mundo, incluindo este ano uma nova categoria, “Patient innovation Lifetime Achievement Award”.

O Patient Innovation é uma plataforma online criada com o objetivo de promover a partilha de soluções inovadoras desenvolvidas por doentes e cuidadores para ultrapassar problemas impostos por uma doença ou condição de Saúde. A plataforma, que reúne hoje um portfolio superior a 800 inovações e é usada por mais de 60 mil utilizadores de todo o mundo, tem recebido inúmeros prémios, merecendo destaque o título de Non-profit Startup of the Year e o reconhecimento do anterior secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-moon.

Depois do sucesso da 2.ª edição dos Patient Innovation Awards, que decorreu em 2016, na Web Summit, a edição deste ano traz uma nova categoria, “Patient innovation Lifetime Achievement Award”, que será entregue a Robin Cavendish, a título póstumo (1930 – 1994) e a CaveDiana Cavendish, que estará presente na cerimónia.

Adicionalmente, são quatro os projetos vencedores que se destacaram de entre mais de 500 soluções a concurso, oriundas de todo o mundo nas seguintes categorias:

 

“Inovador de país em vias de desenvolvimento”

Gérard Niyondiko (Burkina Faso) quase morreu de malária e viu seis dos seuença que mata mais de 400 mil pessoas por ano. A única forma de evitar a picada do mosquito, e consequente infeção do parasita da malária, é através de inseticidas ou redes mosquiteiras, soluções não viáveis para pessoas que vivem em extrema pobreza. Com o objetivo de proteger do mosquito da malária uma comunidade que vivia em pobreza extrema, Gérard criou um sabão (o Faso Soap) feito com ingredientes extraídos de plantas locais (manteiga de carité, erva-limão, tagetes, etc.). O sabão tem um odor que afasta os mosquitos durante seis horas, sendo uma solução acessível a famílias em países em desenvolvimento. Estima-se que o sabão Faso possa salvar cem mil vidas até 2020.

 

“Cuidador Inovador”

A dinamarquesa Lise Pape, inspirada pela luta do pai com a evolução da doença de Parkinson, desenvolveu o Path Finder. Esta doença está associada a episódios de rigidez da marcha, levando à queda desamparada dos indivíduos nesta condição. O pai de Lise tentava sistematicamente ultrapassar este problema pedindo auxílio à sua esposa, que lhe indicava qual seria o passo seguinte quando via o seu andar congelado. Lise, com medo que o pai caísse, quando a mãe não estivesse por perto, criou um dispositivo que projeta uma luz no chão ajudando-o a perceber qual o próximo passo a dar. Esta solução tem tido um surpreendente impacto na qualidade de vida de doentes de Parkinson.

 

“Cuidador Inovador”

O norte-americano Bodo Hoenen, desenvolveu uma ortótese robótica para o braço da sua filha, Lorelei, de cinco anos, que sofre de mielite flácida aguda, uma doença neurológica que lhe causou debilidade no braço. A ortótese integra funcionalidades de aprendizagem automática, que permitiu identificar quando a criança quer levantar o braço e acompanhando-a no movimento. Lorelei usou a ortótese robótica para fazer fisioterapia de forma a voltar a ganhar mobilidade. Ao fim de um curto período de tempo já conseguia agarrar objetos leves.

 

“Doente Inovador”

Rita Basille (França) criou o Handiplat, depois de ter perdido o movimento do braço num acidente de trabalho. Para além de ter que lidar com a sua nova condição física, Rita não suportava a ideia de estar dependente de alguém para comer e cozinhar. Como conseguia usar o segundo braço, decidiu criar um tabuleiro que lhe permite imobilizar os alimentos de forma a poder cortá-los sem recorrer à ajuda de ninguém. Esta solução, apesar de muito simples, tem tido uma utilidade elevada para amputados, bem como doentes com Parkinson e Alzheimer.

Os projetos foram avaliados por um júri internacional que integra reconhecidos especialistas das áreas da inovação, empreendedorismo e saúde, incluindo dois Prémios Nobel. A seleção dos vencedores foi feita tendo em conta as características de inovação, o potencial e impacto social e na saúde da solução desenvolvida.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019