Adalimumab demonstra controlo rigoroso da doença de Crohn
08/11/2017 16:32:42
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Adalimumab demonstra controlo rigoroso da doença de Crohn

A AbbVie anunciou na UEG Week os resultados completos do estudo CALM, um estudo de fase 3 que avalia a abordagem “tight control”, que monitorizou de perto a atividade biológica e clínica da doença e ajustou um regime terapêutico com base em adalimumab em doentes com doença de Crohn moderada a grave. Após 48 semanas, os doentes envolvidos alcançaram o parâmetro de avaliação primário do estudo.

O objetivo primário do estudo CALM envolvia a cicatrização das lesões da mucosa aliada à ausência de úlceras penetrantes e melhorias clínicas, em comparação com os doentes submetidos a uma forma tradicional de gestão dos sintomas. O objetivo foi atingido, levando o Dr. Isidro Villanueva Torrecillas, vice-presidente do Departamento de Imunologia da AbbVie, a afirmar: “Estes resultados vêm consolidar o número cada vez maior de dados já existentes que sustentam o uso de uma abordagem "tight control" para ajudar as pessoas a controlarem a sua doença de Crohn”. “Ao aproveitarmos a nossa vasta experiência ao nível das patologias imunomediadas graves, estamos a explorar abordagens terapêuticas inovadoras, tendo como objetivo último a melhoria dos resultados obtidos para estes doentes”, conclui.

Os dados foram apresentados na United European Gastroenterology (UEG) Week 2017, em Barcelona, e foram recentemente publicados na The Lancet. Além disso, uma avaliação económica do estudo CALM com base nos custos que refletem o contexto do Reino Unido revelaram que a abordagem "tight control" constitui uma estratégia terapêutica custo-efetiva, com base no aumento do tempo de remissão, na redução do número de hospitalizações relacionadas com a doença de Crohn e na melhoria observada nos padrões de qualidade de vida dos doentes.

“Os dados do estudo CALM sustentam a estratégia ‘tight control’ e demonstram a importância clínica e económica desta abordagem para os doentes e para a comunidade da Gastroenterologia”, afirmou o Prof. Jean-Frederic Colombel, diretor do Center of Inflammatory Diseases of the Intestine, da Faculdade de Medicina Icahn, em Nova Iorque. “Uma abordagem precoce e atenta ao tratamento da doença dá aos doentes uma opção custo-efetiva para alcançar a remissão clínica.”


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019