Novartis e PSOPortugal desmistificam a psoríase junto da população
18/10/2017 13:19:37
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Novartis e PSOPortugal desmistificam a psoríase junto da população

Com o objetivo de sensibilizar a sociedade para a psoríase, a Novartis, em colaboração com a Associação Portuguesa da Psoríase (PSOPortugal), leva aos palcos de todo o país a peça A Pele que Tenho em Mim. Desenvolvida e produzida pela ACE Teatro do Bolhão, esta é uma peça feita de histórias reais, que levam o espectador a vestir a pele de uma pessoa com psoríase que enfrenta os desafios de aprender a conviver com a doença.

Ao longo de sete meses, a peça A Pele que Tenho em Mim sobe a 14 palcos, numa digressão que passa por cidades de norte a sul de Portugal. O objetivo é dar a conhecer a psoríase, uma patologia que afeta mais de 200 mil pessoas no país, mas que ainda é muito desconhecida da generalidade das pessoas e da sociedade em geral.

Para a Dr.ª Cristina Campos, diretora geral da Novartis Portugal, esta iniciativa “é o resultado da responsabilidade social que a Novartis assume numa perspetiva de sensibilização e informação sobre algumas doenças ainda pouco conhecidas. Existe um enorme desconhecimento sobre a psoríase em Portugal nas comunidades onde as pessoas com psoríase vivem e trabalham. As próprias pessoas com psoríase têm muitas vezes informação insuficiente sobre a doença. Com A Pele que Tenho em Mim e esta colaboração com a PSOPortugal, procuramos sensibilizar para a psoríase, desmistificando a doença, através de uma iniciativa que vai além dos principais centros urbanos”.

O Dr. Jaime Melancia, presidente da PSOPortugal, refere os fatores que levaram a associação a abraçar o projeto: “Esta peça expõe de uma forma humana o grande impacto que a psoríase tem na qualidade de vida dos doentes, nos vários aspetos do seu quotidiano. O que nos parece muito importante é o facto de, com histórias inspiradas em vidas reais, mostrar que é possível controlar a psoríase, superar a doença. E o papel que a compreensão da sociedade tem nessa superação. Ir onde estão os doentes, as pessoas que com eles convivem diariamente, é, a nosso ver, um aspeto fundamental que nos levou a abraçar esta iniciativa”.

Estarreja, Lamego, Covilhã e Alcácer do Sal são algumas das cidades que, além de Lisboa e Porto, vão receber a digressão A Pele que Tenho em Mim. Todas as sessões são de entrada livre, mediante inscrição prévia através do site www.umapeleparaavida.pt, onde pode ser também consultado o calendário completo.

Cartaz A pele que tenho em mim a5455


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019