Dupilumab aprovado na UE para o tratamento de doentes adultos com dermatite atópica
06/10/2017 15:50:38
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Dupilumab aprovado na UE para o tratamento de doentes adultos com dermatite atópica

A Sanofi e a Regeneron Pharmaceuticals anunciaram recentemente que a Comissão Europeia aprovou a autorização comercial para dupilumab no tratamento de adultos com dermatite atópica (DA) moderada a grave e candidatos a terapêutica sistémica.

A dermatite atópica, uma forma de eczema, é uma doença inflamatória crónica com sintomas que frequentemente surgem como erupção cutânea. A DA moderada a grave caracteriza-se por erupções cutâneas que tipicamente cobrem grande parte do corpo e podem incluir prurido intenso e persistente, secura da pele, gretas, vermelhidão, formação de crostas e exsudação. O prurido é um dos sintomas mais complicados para os doentes e pode tornar-se debilitante. Adicionalmente, as pessoas com dermatite atópica moderada a grave vêm a sua qualidade de vida diminuída, devido a distúrbios de sono e sintomas exacerbados de ansiedade e depressão em conjunto com a sua doença.

“As pessoas com dermatite atópica moderada a grave podem sofrer sintomas insuportáveis que impactam significativamente a sua qualidade de vida. Muitos têm dificuldade em controlar a sua patologia com as opções de tratamentos atualmente disponíveis”, afirma a Dr.ª Christine Janus, chief executive officer da Aliança Internacional das Associações de Doentes de Dermatologia. “Nós apoiamos o acesso atempado a este medicamento inovador e importante para quem vive com dermatite atópica moderada a grave, para que os ajude a controlar e aliviar os sintomas que esta doença crónica provoca e a diminuir o impacto que tem na vida dos doentes”.

Dupilumab é um anticorpo monoclonal humano que atua especificamente na inibição da sinalização hiperativa de duas proteínas essenciais, IL-4 e IL-13, consideradas fatores importantes na inflamação persistente subjacente na DA, e outras doenças alérgicas ou atópicas. Dupilumab é fornecido numa seringa pré-cheia e pode ser autoadministrado como injeção subcutânea a cada duas semanas depois de uma dose inicial. A terapêutica pode ser utilizada com ou sem corticosteroides tópicos.

“Esta aprovação de dupilumab na Europa demonstra a nossa abordagem em trazer terapêuticas inovadoras para os doentes que vivem com necessidades médicas não satisfeitas e representa um marco importante para as pessoas que vivem com dermatite atópica moderada a grave na Europa,” afirma o Dr. Elias Zerhouni, president, Global R&D, Sanofi. “Dupilumab atua numa causa subjacente da DA, ajuda a limpar a pele, a gerir o prurido persistente e incapacitante, e a melhorar a qualidade de vida em geral. Agora estamos focados em disponibilizar rapidamente esta nova opção de tratamento às pessoas de toda a Europa com esta doença sistémica”.

No seguimento desta autorização comercial, a Sanofi e a Regeneron vão trabalhar em estreita colaboração com as autoridades locais para disponibilizar dupilumab aos doentes europeus que dele necessitem.

“Dupilumab é o culminar de décadas de investigação científica relacionada com a biologia de doenças alérgicas, tais como a dermatite atópica moderada a grave”, explica o Prof. Doutor George D. Yancopoulos, president e chief scientific officer da Regeneron. “Continuamos a avaliar o potencial do dupilumab no tratamento da dermatite atópica em crianças e adolescentes assim como outras doenças alérgicas inflamatórias motivadas pela IL-4 /IL-13”.

Dupilumab é utilizado para tratar doentes adultos com dermatite atópica moderada a grave (eczema) que não está adequadamente controlada com prescrição de terapêuticas utilizadas na pele (tópicas) ou que não podem utilizar tais terapêuticas. Dupilumab pode ser utilizado com ou sem corticosteroides tópicos. Desconhece-se se dupilumab é seguro e eficaz em crianças.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019