Distonia é uma patologia subdiagnosticada em Portugal
18/09/2017 13:01:53
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Distonia é uma patologia subdiagnosticada em Portugal

A Associação Europeia de Distonia assinala setembro como o mês de sensibilização para uma patologia que é subdiagnosticada em Portugal e que se não for rapidamente tratada, implica consequências graves na qualidade de vida dos doentes. Ao provocar movimentos involuntários lentos e repetitivos nos músculos, muitas vezes incapacitantes, a distonia afeta atividades simples do quotidiano, como andar, comer ou tomar banho.

A cada ano, surgem, em média, seis novos casos de distonia e as formas precoces da doença são diagnosticadas antes dos 26 anos. “Embora não existam estudos conduzidos em Portugal, estima-se que existam cerca de cinco mil doentes com distonia. Apesar de ser uma doença rara, estão disponíveis tratamentos altamente eficazes, farmacológicos e cirúrgicos. Por esta razão, o diagnóstico correto e o encaminhamento para os centros capacitados para tratar estes doentes assume uma enorme importância. Existe ainda a convicção, entre os neurologistas que se dedicam a esta área, que existem ainda muitos doentes sem diagnóstico, com outros diagnósticos ou sem acesso ao melhor tratamento disponível”, explica o Prof. Doutor Joaquim Ferreira, neurologista e diretor clínico do Campus Neurológico Sénior.

Muitas vezes, por não estarem despertos para a doença nem para os seus sintomas, os neurologistas submetem os casos menos graves a um tratamento inicial com toxina botulínica (botox) para cessar temporariamente os tremores, mas que não cura a distonia. Em casos moderados a graves, a indicação adequada é a cirurgia de estimulação cerebral profunda (DBS).

“Para alguns doentes, a DBS pode ser a única solução. É uma cirurgia que demora entre cinco a oito horas e consiste no implante de um dispositivo médico que estimula núcleos específicos no cérebro”, refere o Prof. Doutor Joaquim Ferreira. “Claramente tem de haver um esforço de todos para aumentar o reconhecimento destes doentes e facilitar o acesso aos tratamentos eficazes disponíveis”, conclui o especialista.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019