Laboratório de Reprodução Humana da Universidade de Coimbra recebe certificação europeia
31/08/2017 12:07:21
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Laboratório de Reprodução Humana da Universidade de Coimbra recebe certificação europeia

O Laboratório de Reprodução Humana (LRH) do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra (UC) recebeu a certificação europeia de “Boas Práticas de Laboratório” (BPL) que garante a segurança de procedimentos e permite comparar os seus resultados com laboratórios europeus.

A certificação BPL é baseada em diretivas europeias de elevada exigência e garante que os estudos pré-clínicos do LRH com produtos farmacêuticos são seguros para a saúde e o ambiente de pessoas e animais.

O selo de qualidade advém da vasta experiência do LRH na área da Biologia da Reprodução e certifica os estudos toxicológicos realizados in vitro, nomeadamente com contracetivos. Apenas três laboratórios portugueses possuem esta certificação.

O presidente do CNC e diretor do LRH, Dr. João Ramalho-Santos, afirma que esta certificação é “um passo no sentido de diversificar as valências do laboratório para realização de trabalhos com elevada exigência e de potenciar parcerias científicas e técnicas com a indústria farmacêutica. As normas BPL são muito exigentes e o facto de a certificação ter sido atribuída a um laboratório primordialmente dedicado à investigação é um testamento à qualidade e dedicação de toda a equipa”.

Os resultados das inspeções de BPL de laboratórios efetuadas por um país são vinculativas para outros Estados aderentes a este regime. A certificação visa evitar a duplicação de investigações nos diferentes países, rentabilizando tempo e recursos.

Os países com laboratórios certificados com BPL promovem o comércio internacional de produtos químicos, através da possibilidade de comparação internacional dos diferentes estudos.

A fiscalização BPL incide sobre instalações, gestão e organização científica do laboratório, tipos de estudo, competências da equipa, saúde dos investigadores, utilização e armazenamento de substâncias químicas, procedimentos de controlo de pragas, manutenção e calibração de instrumentos de medida e sistemas informáticos.

A certificação é fiscalizada, em território nacional, pelo Instituto Português da Qualidade (IPQ) e o Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento (INFARMED) conforme a diretiva número 2004/9/CE.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019