Rivaroxabano obtém opinião positiva do CHMP para tratamento de doentes com fibrilhação auricular
28/07/2017 17:34:39
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Rivaroxabano obtém opinião positiva do CHMP para tratamento de doentes com fibrilhação auricular

O Comité dos Medicamentos para Uso Humano (CHMP) da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) emitiu opinião positiva para utilização de rivaroxabano  para o tratamento de doentes com fibrilhação auricular não valvular (AF) que necessitam de anticoagulação oral após intervenção coronária percutânea (ICP) com colocação de stent.

“A recomendação do CHMP é um passo importante para melhorar a gestão destes doentes, que estão em alto risco de trombose e necessitam de terapêutica anticoagulante porque têm fibrilhação auricular e colocaram um stent”, disse o Dr. Michael Devoy, chefe de Assuntos Médicos & Farmacovigilância da Divisão Farmacêutica da Bayer.

A opinião positiva do CHMP baseia-se em dados do estudo de fase III PIONEER AF-PCI, o primeiro e atualmente único ensaio clínico aleatorizado de um anticoagulante oral não antivitamínico K (NOAC) nesta população de doentes, publicado no The New England Journal of Medicine em dezembro de 2016. O estudo demonstrou que 15 mg uma vez por dia de rivaroxabano, em combinação com terapêutica antiplaquetária única, reduziu significativamente a taxa de hemorragia clinicamente significativa em 41% (redução do risco relativo, equivalente a uma redução de risco absoluto de 9,9%), em comparação com antagonista da vitamina K mais terapêutica antiplaquetária dupla (DAPT) ao longo de 12 meses de tratamento aleatorizado nesses doentes.

Já o tratamento com 2,5 mg de rivaroxabano, duas vezes ao dia, em combinação com DAPT, reduziu a taxa de hemorragia clinicamente significativa em comparação com AVK + DAPT em 37% (redução do risco relativo) através de 12 meses de terapia randomizada, que também foi estatisticamente significante (18,0% vs 26,7% 0,63; IC 95%: 0,50-0,80; p <0,001).

Além disso, uma sub-análise separada do PIONEER AF-PCI, publicada em novembro de 2016, revelou que ambos os regimes de tratamento com rivaroxabano resultaram em taxas significativamente mais baixas de mortalidade por todas as causas ou hospitalização recorrente devido a eventos adversos (hemorragia fatal, morte de causa cardiovascular ou de outra causa) do que a estratégia de tratamento AVK.

Rivaroxabano foi descoberto pela Bayer, e está a ser desenvolvido em conjunto com a Janssen Research & Development. A decisão final da Comissão Europeia deverá ser conhecida no final deste ano.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019