Upadacitinib com resultados positivos no primeiro ensaio clínico de fase 3
04/07/2017 15:12:42
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Upadacitinib com resultados positivos no primeiro ensaio clínico de fase 3

A AbbVie anunciou recentemente que foram alcançados resultados de excelência com o ensaio clínico SELECT-NEXT de fase 3 que avalia o upadacitinib, um inibidor seletivo de JAK1, oral experimental, em doentes com artrite reumatoide (AR) moderada a grave. Em comunicado de imprensa, a biofarmacêutica informa que ambas as doses, de 15 mg e 30 mg, alcançaram todos os objetivos primários e secundários estatisticamente significativos.

Os resultados mostraram que, após 12 semanas de tratamento, ambas as doses de upadacitinib (15 mg e 30 mg) cumpriram os objetivos do estudo como a resposta ACR20 e baixa atividade da doença. Os principais objetivos secundários foram igualmente alcançados, entre os quais ACR50, ACR70 e remissão cínica. Os resultados completos serão apresentados num encontro médico a realizar brevemente e publicados numa publicação submetida a revisão por pares. Upadacitinib é um produto experimental oral, e não está aprovado pelas autoridades reguladoras.

O Dr. Michael Severino, vice-presidente executivo do departamento de investigação e desenvolvimento e diretor científico da AbbVie, revelou que a equipa está entusiasmada com estes resultados promissores. “A inibição seletiva da via JAK1 pode proporcionar um tratamento inovador para doentes com artrite reumatoide que não respondem adequadamente às terapêuticas convencionais”, afirmou. “São particularmente encorajadores os resultados que envolvem as medidas de eficácia, como ACR 70, baixa atividade da doença e remissão clínica. Estamos ansiosos por ver os resultados completos obtidos no nosso programa de fase 3”, concluiu.

Neste estudo, o perfil de segurança foi consistente com o observado nos ensaios clínicos de fase 2 com upadacitinib. Não foram detetados novos sinais de segurança e os acontecimentos adversos graves foram de 4% e 3% nas doses de 15 mg e 30 mg, respetivamente, contra 2 por cento com placebo.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019