Departamento de Cirurgia e Fisiologia da FMUP organiza congresso sobre dismorfias dentofaciais
21/06/2017 16:48:11
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Departamento de Cirurgia e Fisiologia da FMUP organiza congresso sobre dismorfias dentofaciais

O Departamento de Cirurgia e Fisiologia da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) organiza o evento “Dismorfias Dentofaciais, perspetivas ortodôntico-cirúrgicas” – DDF Porto 2017, nos dias 30 de junho e 1 de julho, no auditório do Centro de Investigação Médica da Faculdade.

Esta é uma iniciativa que vai reunir especialistas de diferentes áreas: Estomatologia, Otorrinolaringologia, Cirurgia Maxilofacial, Cirurgia Plástica, Medicina Dentária, Medicina Física e de Reabilitação e Fisioterapia, para discutir as Dismorfias Dentofaciais (DDF), uma patologia transversal a todas estas áreas.

Ao longo dos dois dias de Congresso, os participantes vão ter a oportunidade de conhecer a experiência de oradores nacionais e internacionais, onde se destacam os contributos do Dr. Shalin Shah, ortodontista dos Estados Unidos da América (EUA), que vem falar sobre “Quantificação da Dimensão Transversal”; do Prof. Doutor Carlos Cabrera, do Brasil, que irá abordar o “Diagnóstico cirúrgico ortológica”; e do Dr. William Arnett, cirurgião maxilo facial dos EUA, formador no curso pré-congresso sobre planeamento ortodôntico-cirúrgico.

Segundo o Dr. João Correia Pinto, presidente do DDFF Porto 2017, “o aparelho estomatognático é fundamental em funções tão básicas como a fala, mastigação deglutição e respiração, além da sua relevância subjetiva na vida de relação. É neste contexto que as dismorfias dentofaciais, enquanto alterações de desenvolvimento e/ ou estruturais do aparelho estomatognático, se assumem como patologia de elevado relevo para o indivíduo e para a sociedade”.

E acrescenta: “Embora não haja dados concretos sobre a prevalência em Portugal, nos EUA e Reino Unido estima-se que, pelo menos, 5% da população tenha uma dismorfia dentofacial. Estando a abordagem desta patologia dispersa por várias áreas do saber, importa concatenar conhecimentos e experiências de forma a alcançar o melhor tratamento para o doente”.

Para mais informações consulte a página do evento


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019