DII: SPG alerta para discriminação e falta de equidade no acesso ao tratamento em Portugal
19/05/2017 9:37:22
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
DII: SPG alerta para discriminação e falta de equidade no acesso ao tratamento em Portugal

No âmbito do Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal (DII), que se assinala hoje, 19 de maio, a Sociedade Portuguesa de Gastroenterologia (SPG) alerta para o aumento do número de casos em Portugal e sublinha a falta de equidade e discriminação no que respeita à acessibilidade aos medicamentos mais eficazes.

Segundo a SPG, em Portugal é notória a discriminação e falta de equidade com que os doentes com DII são tratados, quando comparados com outros doentes, nomeadamente do foro reumatológico e dermatológico, que tomam a mesma medicação, no respeitante à acessibilidade aos medicamentos mais eficazes. Tal situação, a Sociedade defende ser “profundamente injusta e anticonstitucional”, tarda em resolver-se, dificultando por vezes um tratamento atempado e eficaz, penalizando consequentemente os doentes.

O Prof. Doutor José Cotter, presidente da SPG, esclarece que “se aguarda com urgência que a estrutura governamental aplique os critérios da mais elementar justiça e equidade sobre os doentes que padecem de DII, tal como acontece com os demais”.

A DII é uma patologia que atinge predominantemente o adulto jovem, de uma forma crónica, e que implica um seguimento clínico especializado por médico gastrenterologista.

A DII engloba duas doenças distintas que têm algo em comum: doença de Crohn e colite ulcerosa. Desde logo, distinguem-se porque a primeira pode atingir qualquer órgão do tubo digestivo (desde a boca até ao ânus), se bem que mais frequentemente atinja apenas o intestino delgado e/ou o intestino grosso, enquanto a segunda atinge apenas o cólon (intestino grosso). Ambas têm em comum o facto de poderem provocar inflamação dos órgãos atingidos e são doenças crónicas que evoluem ao longo do tempo sob a forma de surtos intercalados com períodos de acalmia, não existindo ainda uma cura definitiva para as mesmas. A inexistência da cura estará relacionada com o facto de se desconhecer com exatidão os fatores desencadeantes que originam o aparecimento da doença.

Em Portugal, estima-se que existam cerca de 150 doentes por cada 100 mil habitantes, distribuídos igualmente por ambas as doenças (colite ulcerosa e doença de Crohn), com predomínio do sexo feminino, atingindo em maioria o escalão etário dos 17-39 anos na doença de Crohn e dos 40-64 anos na colite ulcerosa.

O seu diagnóstico e acompanhamento implica, além de vigilância clínica especializada, a utilização dos meios de endoscopia digestiva, só ao alcance dos gastrenterologistas que, no caso destas doenças, desempenha um papel importante não só no diagnóstico, mas também no acompanhamento com vista à otimização dos tratamentos.

A evolução dos tratamentos tem sido notória nos últimos anos, com a utilização de fármacos que combatem a inflamação, outros que atuam sobre o controlo das defesas do organismo e outros que impedem reações descontroladas do próprio sistema imunitário que ainda originariam mais inflamação. Isto permite que os médicos especialistas em Gastrenterologia consigam hoje resultados excelentes no controlo desta doença.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019