Portugal demora mais de 10 anos a diagnosticar espondilite anquilosante e artrite psoriática
11/05/2017 15:39:04
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Portugal demora mais de 10 anos a diagnosticar espondilite anquilosante e artrite psoriática

Em Portugal, os doentes com espondilite anquilosante (EA) ou artrite psoriática (AP) têm o diagnóstico da doença mais de 10 anos depois do aparecimento dos primeiros sintomas. Esta é a conclusão do estudo PAASPORT, uma sub-análise do estudo EpiREumaPt. Realizado em parceria com a Novartis, o estudo vem agora confirmar a carga destas doenças em Portugal e o seu impacto significativo na qualidade de vida dos doentes, nos sistemas de Saúde e na sociedade.

A Prof.ª Doutora Helena Canhão, vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR) e co-investigadora principal do estudo, refere que “os resultados do EpiReumaPt enfatizam e confirmam a carga das espondiloartrites em Portugal, sobretudo no que se refere à pior qualidade de vida dos doentes, aos níveis de reforma antecipada e também ao consumo dos recursos de Saúde. Conhecendo melhor esta realidade, é clara a necessidade de aumentar a sensibilização para estas patologias, ajustando as políticas de Saúde associadas com a alocação de recursos que permitam uma intervenção mais precoce".

Tanto a EA como a AP têm um maior impacto na qualidade de vida do doente quando comparadas com outras doenças reumáticas, reportando piores resultados nas dimensões: dor corporal, Saúde geral, vitalidade, função social, desempenho emocional e Saúde mental. As perturbações psiquiátricas são uma das comorbilidades mais frequentes nestes doentes: 13% reportam sintomas de ansiedade/depressão.

A esfera profissional é também muito afetada, apesar da maioria dos doentes se encontrar numa idade com vida profissional ativa, 13% referem ter faltado ao trabalho nos últimos 12 meses. De salientar que os doentes com artrite psoriática reformam-se ainda mais cedo: 11% dos doentes com EA e AP tiveram que se reformar devido à doença e 20% com AP tiveram que o fazer antecipadamente.

Os doentes com EA apresentam um maior consumo de recursos de Saúde do que os com AP, sendo que 9,4% estiveram hospitalizados nos últimos 12 meses, face a 4,1% com AP. Mais doentes com EA necessitaram, também, de cuidados domiciliários no último ano (3,5%).

As espondiloartrites, patologias inflamatórias crónicas, afetam 1,6% da população, ou seja, cerca de 160 mil portugueses por cada 100 mil habitantes, sendo que a EA tem uma prevalência de 0,5% (50 mil doentes) e a AP de 0.3% (30 mil doentes).

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019