INE divulga publicação sobre estatísticas da Saúde em 2015
06/04/2017 16:27:15
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
INE divulga publicação sobre estatísticas da Saúde em 2015

Por ocasião do Dia Mundial da Saúde, que se assinala amanhã, 7 de abril, o Instituto Nacional de Estatística (INE) apresenta uma publicação que reúne dados estatísticos sobre a Saúde em Portugal no ano de 2015, abrangendo nove subtemas: hospitais, farmácias e medicamentos, pessoal de Saúde inscrito, partos, mortalidade geral, mortalidade infantil, mortalidade neonatal, mortalidade fetal e conta satélite da Saúde. Veja a infografia ilustrativa das principais conclusões.

Entre as principais conclusões, destaca-se a tendência de aumento do número de hospitais privados (de 91 em 2005, para 111 em 2015), o aumento dos atendimentos nos serviços de urgência dos hospitais privados (mais 14,5% em relação a 2014). Também o número de camas disponíveis para internamento nos hospitais privados continuou a aumentar (mais 880 face a 2014, um aumento de 8,5%). Quase 3/4 das cirurgias foram realizadas em hospitais públicos ou em parceria público-privada (mais de 660 mil, num total de cerca de 910 mil cirurgias).

A publicação demonstra ainda que manteve-se a tendência de aumento das consultas médicas na unidade de consulta externa, sobretudo nos hospitais privados (cerca de mais 500 mil consultas do que em 2014, um acréscimo de 9,5%). Reduziram-se os atos complementares de diagnóstico realizados em hospitais privados (menos 7,4% face a 2014), mas aumentaram os atos complementares de terapêutica (mais 11,9% em relação a 2014).

Continuou a aumentar o número de médicos (mais 3,7% de inscritos na Ordem dos Médicos), bem como o número de enfermeiros (mais 2,1% de inscritos na Ordem dos Enfermeiros).

Relativamente ao número de partos, ocorreram 84 584 em 2015, quase mais três mil do que no ano anterior, dos quais 1478 gemelares.

O documento do INE revela que aumentaram as mortes causadas por doenças do aparelho circulatório (mais 0,5% face a 2014), bem como as motivadas por tumores malignos (mais 1,6%). As mortes por VIH/SIDA diminuíram (de 419 em 2014, para 392 em 2015), continuando a afetar sobretudo os homens (76,8%).

Entre 2013 e 2015 mais de metade da despesa corrente em Saúde foi financiada pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS) e pelos Serviços Regionais de Saúde das Regiões Autónomas.

Consulte aqui o documento completo. 

ine infografia 41517

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019