Investigação do CHSJ revela relação entre perda de peso, cirurgia bariátrica e hormona T3
06/04/2017 15:28:54
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Investigação do CHSJ revela relação entre perda de peso, cirurgia bariátrica e hormona T3

Os doentes que têm níveis mais elevados da hormona tireoidiana triiodotironina (T3) perdem mais peso após a cirurgia bariátrica, segundo indica um estudo recente de um grupo de investigadores do Serviço de Endocrinologia do Centro Hospitalar de São João (CHSJ), no Porto, liderado pelo Dr. João Sérgio Neves. Os resultados do estudo foram apresentados no ENDO 2017, o encontro anual da Endocrine Society, no passado dia 3 de abril, em Orlando, na Flórida.

"A cirurgia bariátrica é o tratamento mais eficaz para a obesidade e a função da tiroide desempenha um papel central na regulação do peso corporal. No entanto, os preditores de perda de peso após cirurgia bariátrica permaneceram em grande parte desconhecidos", refere o Dr. João Sérgio Neves.

O estudo avaliou 649 doentes com obesidade mórbida e função tireoidiana normal que foram submetidos à cirurgia bariátrica. 84,3% dos doentes eram mulheres e os doentes tinham uma idade média de 41,8 anos, com índice de massa corporal (IMC) pré-operatório de 44,65 kg / m2.

Os autores excluíram doentes com história de doença tireoidiana, aqueles que estavam a ser tratados com levotiroxina ou drogas antitiroidianas e doentes com hormona estimulante da tiroide (TSH) ou tiroxina livre (T4) fora do intervalo de referência.

"O nosso estudo mostra que os doentes com níveis mais elevados de T3 perdem mais peso após a cirurgia bariátrica. Os resultados destacam o potencial futuro para o tratamento da hormona da tiroide após a cirurgia bariátrica", destaca o autor principal da investigação.

Os investigadores analisaram a idade pré-operatória dos participantes, sexo, função tireoidiana (TSH, T3 livre, T4 livre), perfil lipídico, glicemia de jejum, hemoglobina (Hb) A1C, IMC, relação cintura-quadril, dislipidemia e hipertensão. Estudaram ainda o tipo de cirurgia (banda gástrica ajustável, bypass gástrico de Roux-en-Y ou gastrectomia com manga) e a percentagem de perda excessiva de peso corporal um ano após a cirurgia.

Níveis pré-operatórios de TSH e T4 livre e variação dentro da faixa de referência de T3 livre não foram associados à perda de peso. Em contraste, 11,4% dos doentes com T3 livre superior ao intervalo de referência (T3 livre acima de 3,71 picogramas por mililitro) perderam significativamente mais excesso de peso do que os doentes com T3 livre normal (76,6% vs 65,4%). Nenhum doente apresentou T3 livre abaixo do intervalo de referência.

Os doentes com T3 livre são mais jovens (36,6 vs 42,5 anos), mas não significativamente diferentes no sexo, IMC, tipo de cirurgia, diabetes, hipertensão ou dislipidemia. Mesmo após ajuste para idade, sexo, IMC, tipo de cirurgia, TSH e níveis livres de T4, a perda de excesso de peso no grupo com alta T3 livre foi significativa.

Fonte


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019