Pembrolizumab: Infarmed aprova financiamento do primeiro anti-PD1 em Portugal
09/03/2017 16:35:02
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Pembrolizumab: Infarmed aprova financiamento do primeiro anti-PD1 em Portugal

A MSD anunciou que o Infarmed aprovou a utilização, em meio hospitalar, do medicamento pembrolizumab, a terapêutica anti-PD-1 da farmacêutica para o tratamento do melanoma avançado (irressecável ou metastático) em adultos. A dose aprovada é 2 mg/kg a cada três semanas.

Pembrolizumab demonstrou ser a primeira e única terapêutica anti-PD-1 em monoterapia que proporcionou um benefício de sobrevivência global, sobrevivência livre de progressão e taxas de resposta estatisticamente superiores ao atual padrão de tratamento para o melanoma avançado, ipilimumab, bem como um melhor perfil de tolerabilidade. O fármaco é aprovado pela Comissão Europeia (CE) para o tratamento do melanoma avançado em adultos, desde 2015.

Esta aprovação tem por base dados de três estudos clínicos, KEYNOTE-001, KEYNOTE-002 e KEYNOTE-006, conduzidos em mais de 1500 doentes com melanoma avançado, em primeira linha e previamente tratados. Estes estudos avaliaram a eficácia e segurança de pembrolizumab em doentes com melanoma avançado - transversalmente a linhas de tratamento, fatores de prognóstico, características do tumor e estado mutacional BRAF.

Para o diretor geral da MSD Portugal, Dr. Vítor Virgínia, “esta aprovação traduz o reconhecimento do valor terapêutico de pembrolizumab no tratamento de melanoma avançado, irresecável ou mestastático, em adultos, bem como o firme compromisso da MSD em disponibilizar sempre as melhores opções terapêuticas para os doentes, perseguindo a obtenção de ganhos em Saúde e, em simultâneo, a salvaguarda da sustentabilidade dos sistemas de Saúde”.

No início deste ano, a CE aprovou pembrolizumab como tratamento de primeira linha de carcinoma do pulmão de células não pequenas (CPCNP) metastático em adultos cujos tumores tenham uma expressão de PD-L1 elevada (proporção de pontuação do tumor [TPS] de 50% ou mais) sem mutações tumorais positivas para o EGFR ou ALK.

Pembrolizumab está a ser estudado em mais de 30 tipos de cancro, em mais de 400 ensaios clínicos.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019