Prémio distingue trabalhos de investigação no âmbito do tratamento da dor
02/02/2017 16:53:46
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Prémio distingue trabalhos de investigação no âmbito do tratamento da dor

O Prémio Grünenthal/ASTOR 2017 acaba de distinguir o trabalho de investigação de uma equipa do Serviço de Cuidados Intensivos Pediátricos do Centro Hospitalar do Porto, com a elaboração de um protocolo de avaliação e controlo de dor aguda no doente pediátrico, e o trabalho de uma equipa da Unidade da Dor Crónica do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), com a sua investigação na dor crónica associada ao burnout nos médicos.

Os prémios, no valor de 1.250 euros cada, foram entregues durante o 15.º Convénio da Associação para o Desenvolvimento da Terapia da Dor (ASTOR), no decorreu no dia 27 de janeiro.

A elaboração do Protocolo de Orientação Clínica (POC), realizado pelo Centro Hospitalar do Porto, permite uma definição mais concreta dos critérios de seleção, metodologia de avaliação, registo de intensidade, intervenções farmacológicas e não farmacológicas, e define estratégias de atuação em procedimentos dolorosos.

Neste estudo, os investigadores constataram que existe uma mais-valia num maior controlo da dor aguda no doente pediátrico, assim como para as famílias, a quem são disponibilizados os cuidados de Saúde na instituição.

A equipa de investigadores da Unidade de Dor Crónica do Serviço de Anestesiologia do CHUC desenvolveu um trabalho sobre a incidência de burnout nos médicos portugueses que trabalham em dor crónica.

Para essa investigação foi realizado um estudo transversal observacional a médicos especialistas portugueses. O Síndrome de burnout é uma entidade nosológica que se desenvolve em resposta à exposição prolongada ao stress relacionado com trabalho e está associado a menor empatia com os doentes, insatisfação profissional, aumento do erro, maior despesa e piores resultados nos cuidados médicos. Os resultados obtidos demostram que os médicos que trabalham no âmbito da dor crónica em Portugal apresentam níveis de burnout mais elevados do que os restantes médicos.

Além disso, o estudo aponta para o facto de ser fundamental os profissionais serem competentes, serenos e empáticos para tratar de forma eficaz um doente com dor crónica. Os autores do estudo defendem eu há uma grande necessidade de serem desenvolvidas estratégias de bem-estar nos médicos que trabalham na área da dor, como condição para oferecer o melhor tratamento aos doentes.

O Prémio Grünenthal/ASTOR destina-se a galardoar trabalhos originais em língua portuguesa sobre aspetos de investigação clínica no âmbito do tratamento da dor, ou descrição de casos clínicos, da autoria de profissionais de saúde e apresentados sob a forma de comunicação oral. Este ano, pela primeira vez, foram atribuídas duas distinções: uma a intervenções médicas na abordagem da dor e outra a intervenções de outras especialidades da área da Saúde.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019