Novo tratamento da doença coronária chega a Portugal
20/01/2017 16:28:12
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Novo tratamento da doença coronária chega a Portugal

O Magmaris, desenvolvido e testado clinicamente pela Biotronik, é o primeiro stent com desenho de dupla hélice, malha aberta e totalmente biabsorvível, constituído por uma estrutura em magnésio, o 4.º mineral mais abundante no corpo humano, e um polímero em ácido polilactico PLLA, para controlo da libertação do fármaco anti proliferativo sirolimus para a prevenção da reestenose coronária.

A absorção natural deste stent traz vários benefícios no tratamento das artérias obstruídas. Para além de manter as qualidades mecânicas dos stents metálicos com fármaco, tem uma taxa de reabsorção de 95% do magnésio em apenas 12 meses. Assim, ao contrário das outras próteses que permanecem definitivamente dentro da artéria, este novo dispositivo tem a capacidade de se dissolver naturalmente no organismo deixando, ao fim de dois anos, a artéria nativa, como se não tivesse ocorrido nenhuma lesão anteriormente.

Este novo stent permite assim a recuperação dos movimentos naturais de dilatação e contração, possibilitando uma “regeneração” da artéria. Esta caraterística permite ainda que, a longo prazo, o paciente possa vir a ser intervencionado novamente por cirurgia de bypass, ou até mesmo para uma nova colocação de prótese biabsorvível, caso a doença coronária volte a progredir.

Em Portugal, sete hospitais já implementaram este tratamento inovador para a desobstrução das artérias coronárias, nomeadamente: Hospital de Santa Maria, Hospital de Santo António, Hospital de Gaia, Garcia de Orta, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Centro Hospitalar de São Bernardo e Centro Hospitalar do Funchal.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019