Aprovada comparticipação de medicamento da Pfizer para a cessação tabágica
28/12/2016 14:47:40
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Aprovada comparticipação de medicamento da Pfizer para a cessação tabágica

No âmbito da estratégia de prevenção do tabagismo, anunciada pelo governo português no passado dia 26 novembro, foi aprovada a comparticipação do medicamento sujeito a receita vareniclina, indicado para a cessação tabágica em adultos. A comparticipação em 37% (escalão C de comparticipação) terá efeito já a partir do início do próximo ano.

De acordo com o Dr. José Pedro Boléo-Tomé, pneumologista e coordenador da Comissão de Tabagismo da Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP), "a comparticipação dos medicamentos para a cessação tabágica é uma necessidade e uma reivindicação antiga de todos os médicos que tratam doentes fumadores. Apesar de o acesso aos tratamentos comprovadamente eficazes para o tabagismo estar há muito tempo consagrado como um pilar fundamental da estratégia de saúde em Portugal, incluído no Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo, continuava a tardar a sua implementação”.

Esta comparticipação permite um maior acesso ao tratamento antitabágico por parte da população portuguesa, coincidindo com uma altura em que muitos fumadores decidem deixar de fumar como resolução de ano novo e procuram apoio médico para o concretizar.

Segundo dados sobre tabagismo divulgados pela Direção-Geral de Saúde (DGS), o tabaco mata cerca de seis milhões de pessoas por ano, em todo o mundo. Em Portugal, em 2013, estima-se que o tabaco foi responsável pela morte de mais de 12 mil pessoas, cerca de 11% do total de mortes, e em 2014 apenas 3,6% das pessoas que deixaram de fumar recorreram a apoio médico e/ou medicamentos para deixar de fumar.

Estes dados não deixam o coordenador da Comissão de Tabagismo da SPP indiferente. “Como a primeira causa de doença e morte evitável, o tabagismo tem de ser encarado como uma doença devastadora e o seu tratamento tem de ser prioritário - além de ser uma medida de saúde fulcral, é também muito vantajoso economicamente, pela enorme poupança de recursos. A SPP espera que esta comparticipação se estenda a todos os medicamentos aprovados e a todos os contextos, para que mais doentes fumadores possam beneficiar".

O maior e mais recente ensaio clínico comparativo com medicamentos aprovados para a cessação tabágica, o estudo EAGLES, que avaliou a segurança neuropsiquiátrica e a eficácia destes medicamentos, demonstrou não haver um risco significativamente aumentado de ocorrência de acontecimentos adversos neuropsiquiátricos com o medicamento quando comparado com placebo, em fumadores com ou sem antecedentes de perturbações psiquiátricas. Além disso, verificou-se uma taxa de abstinência contínua superior para o vareniclina vs. bupropiom, transdérmico de nicotina, e vs. placebo.

A vareniclina alivia os sintomas de abstinência e dependência da nicotina e, simultaneamente, reduz os efeitos compensatórios e de reforço do tabaco.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019