Ortopedista português em destaque na Reunião Internacional da Sociedade Francesa de Artroscopia
23/12/2016 11:56:48
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Ortopedista português em destaque na Reunião Internacional da Sociedade Francesa de Artroscopia

O Dr. Dinis Carmo, médico ortopedista (na imagem à direita), inaugurou a Reunião Internacional da Sociedade Francesa de Artroscopia (SFA), que decorreu em Paris entre os dias 30 de novembro e 3 de dezembro, com a apresentação de duas comunicações orais na secção de Investigação sobre as implicações práticas nas técnicas cirúrgicas utilizadas no tratamento específico da síndrome do túnel do carpo. Expôs ainda um póster eletrónico (“e-poster”) ilustrando a sua técnica cirúrgica e o conjunto de instrumentos específicos desenvolvidos e patenteados por si.

A Reunião Anual da SFA é uma das mais prestigiadas reuniões da especialidade a nível mundial, tendo tido este ano a participação de 1.290 médicos de 32 nações.

O objetivo inicial da técnica apresentada pelo Dr. Dinis Carmo, denominada “Insight-Precision”, é o tratamento cirúrgico da síndrome do túnel cárpico, situação que se tem vindo a diagnosticar com frequência crescente. Posteriormente, a técnica revelou-se igualmente útil no tratamento da síndrome do túnel cubital (a nível do cotovelo), doença de DuQuervain (uma tendinite do punho), dedos em mola ou gatilho e na fasciíte plantar, outra “tendinite” a nível da planta do pé.

As principais vantagens da técnica são a mínima cicatriz operatória, uma recuperação mais fácil e praticamente indolor, a ausência de “pontos para tirar”, mas sobretudo o seu grau de precisão, que diminui de maneira muito significativa as possíveis complicações operatórias e pós-operatórias. Outra vantagem é o facto de, usando esta técnica, os doentes poderem ser operados simultaneamente às duas mãos (a doença é frequentemente bilateral), o que diminui significativamente os gastos operatórios, e o período de incapacidade laboral pós-operatória.

Em relação com a “doença” do túnel do cotovelo, as vantagens são ainda mais facilmente percetíveis, uma vez que esta operação, quando efetuada pelo método clássico, obriga a cortes extensos de 10 ou 12 centímetros, implicando um período de incapacidade laboral por vezes amplamente prolongado.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019