Plataforma que informa doentes sobre investigação em medicamentos chega a Portugal
28/11/2016 14:38:13
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Plataforma que informa doentes sobre investigação em medicamentos chega a Portugal

A plataforma da European Patients’ Academy on Therapeutic Innovation (EUPATI) chega a Portugal, tendo como principais objetivos a promoção da literacia em investigação clínica, com ações de capacitação para a participação e envolvimento dos cidadãos em temas relacionados com a Investigação e Desenvolvimento (I&D) de medicamentos.

O consórcio EUPATI foi lançado em fevereiro de 2012, financiado pela União Europeia e pela European Federation of Pharmaceutical Industries and Associations (EFPIA), no âmbito da Iniciativa sobre Medicamentos Inovadores (IMI). O projeto visa aumentar o envolvimento e o contributo dos doentes na discussão e no desenvolvimento de atividades de I&D, em articulação com a Indústria Farmacêutica, Academia, Autoridades Reguladoras, Autoridades Governamentais e Comissões de Ética.

Este projeto está já a ser implementado em vários países europeus, envolvendo uma colaboração estreita entre as Associações de Doentes, a Academia e a Indústria Farmacêutica.

A comissão instaladora para a EUPATI Portugal conta com a coordenação da Dr.ª Elsa Mateus, presidente da Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas, tendo ainda como membros a Dr.ª Inês Alves (ANDO Portugal), a Prof. Doutora Beatriz Silva Lima (FFULisboa), o Dr. Bruno Gago (UNAVE, Universidade de Aveiro), a Dr.ª Cristina Lopes e o Dr. José Antunes (APIFARMA).

“Sendo Portugal um dos países europeus com menos ensaios clínicos realizados e atendendo à sua importância para a economia nacional e para o acesso ao conhecimento científico e tecnológico avançado, com benefício para todos os cidadãos, o estabelecimento de uma plataforma para a promoção da literacia em investigação clínica e com ações de capacitação para a participação e envolvimento dos cidadãos com experiência da doença nas diferentes fases do processo de investigação e desenvolvimento de medicamentos, será, sem dúvida, um contributo necessário para a inovação”, salienta a Dr.ª Elsa Mateus.

A adesão às plataformas nacionais é aberta a todos e pode incluir representantes das autoridades nacionais, decisores políticos, profissionais de saúde, jornalistas da área da Saúde e outros intervenientes.

Inicialmente, o projeto EUPATI previa a constituição de 12 plataformas nacionais, mas o sucesso alcançado com a formação de 100 Patient Experts, grupo de que fazem parte a Dr.ª Elsa Mateus e a Dr.ª Inês Alves, permitiu incluir Portugal entre os 19 países europeus membros dessa rede de plataformas. A EUPATI disponibiliza, desde janeiro de 2016, uma toolbox com recursos on-line em sete línguas europeias, estando prevista para o início de 2017 a inclusão da tradução em português. Encontra-se, também, em construção o website da EUPATI Portugal, devendo estar on-line até janeiro do próximo ano.

Segundo a Dr.ª Elsa Mateus, é “importante agora criar uma comunidade que potencie a participação e envolvimento das associações e representantes de doentes como parceiros com intervenção no processo e essenciais na definição tanto de prioridades na investigação, como de políticas de investigação centradas no doente ou no acesso a terapêuticas inovadoras em Portugal”.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019