Portugal será a sede de novo Centro de Excelência em Medicina Regenerativa e de Precisão
Portugal será a sede de novo Centro de Excelência em Medicina Regenerativa e de Precisão

Acaba de ser aprovada pela Comissão Europeia a candidatura para o financiamento da criação de um novo grande centro de investigação de excelência europeu, que terá sede em Portugal, mais precisamente no Parque de Ciência e Tecnologia das Caldas das Taipas (Avepark), em Guimarães, e funcionará sob a coordenação da Universidade do Minho.

O projeto conta, para além dos 15 milhões de euros de financiamento direto da Comissão Europeia, com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDRs) do Norte, Centro e Lisboa e Vale do Tejo, prevendo-se que o investimento total na instalação do novo centro possa aproximar-se, nos próximos sete anos, dos 100 milhões de euros, a que acrescerão as verbas próprias conseguidas em concursos e contratos pelos investigadores afetos ao novo centro.

A iniciativa aprovada visa criar em Portugal um novo centro de investigação de excelência, multicampi, na área de Medicina Regenerativa e de Precisão. O The Discoveries Centre pretende focar-se em investigação multidisciplinar, que será traduzida em métodos inovadores a serem aplicados na prevenção e no tratamento de doenças músculo-esqueléticas, neurodegenerativas e cardiovasculares. Este novo centro resulta de uma parceria, um processo de Teaming, entre cinco universidades portuguesas (Minho, Porto, Aveiro, Lisboa e Nova de Lisboa) e a University College London (Reino Unido), considerada uma das melhores da Europa e líder mundial em Ciências e Tecnologias da Saúde.

A seleção deste centro para financiamento resultou de um processo de candidaturas altamente competitivo. Foram apresentadas 170 candidaturas com origem nos mais diversos países da Europa, tendo sido selecionadas 31 para uma segunda fase. Destas, e após cerca de três anos de trabalho, só 10 foram selecionadas para serem financiadas por Bruxelas.

O The Discoveries Centre for Regenerative and Precision Medicine é o único centro com sede em Portugal selecionado pelos avaliadores independentes nomeados pela Comissão Europeia, que investirá 150 milhões de euros na criação destes centros. A Comissão Europeia reconhece, assim, a ambição do projeto e a excelência e qualidade do consórcio e dos objetivos propostos. A candidatura apresentada foi formalmente coordenada pela FCT, tendo a coordenação científica e a liderança da preparação da candidatura e futura instalação do centro sido delegada à Universidade do Minho na pessoa do seu vice-reitor e diretor do Grupo 3B’s, Rui L. Reis.

A criação do The Discoveries Centre for Regenerative and Precision Medicine deverá ter um efeito estruturante na ciência portuguesa, podendo dar origem ao maior e mais produtivo centro de investigação baseado em Portugal. Deverá também ter condições para atrair talento científico internacional. Com uma visão translacional de proteção de propriedade intelectual, empreendedorismo e comercialização, o novo centro irá contribuir para o aumento da competitividade do setor da biomedicina e irá estimular, de forma geral, o emprego científico qualificado e o crescimento económico a vários níveis.

Os próximos passos incluem a presença em Bruxelas de Rui L. Reis, a convite do comissário para a Investigação e Inovação, Carlos Moedas, e do diretor-geral para a Investigação e Inovação da Comissão Europeia, Robert-Jan Smits, no dia 23 de novembro, no âmbito da conferência intitulada “Spreading Excellence and Crossing the Innovation Divide Conference”. Está ainda previsto que, ao contrário do que é habitual e dada a relevância destas candidaturas aprovadas no panorama da ciência europeia, os contratos destes projetos sejam assinados numa cerimónia pública, a decorrer em Bruxelas em fevereiro de 2017.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019