Já começou o Simpósio Nacional SPO 2016
17/11/2016 16:11:36
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Já começou o Simpósio Nacional SPO 2016

“Reflexões para o futuro” é o mote do Simpósio Nacional SPO 2016, que está a decorrer no hotel Eurostars Oasis Plaza, na Figueira da Foz. A perceção dos jovens relativamente ao cancro é um dos muitos temas abordados nesta reunião. 

Dada a pertinência do tópico em questão, é importante perceber até que ponto estão os jovens de hoje informados sobre o cancro. O que sabem, como percecionam a doença oncológica, como procuram e a que fontes de informação recorrem foram algumas das perguntas feitas num inquérito pela Sociedade Portuguesa de Oncologia (SPO) às quais cerca de 250 jovens deram resposta.

Os resultados do inquérito realizado demonstram falta de conhecimento sobre a maioria dos rastreios oncológicos. Apenas 34% dos jovens portugueses reconhecem a existência de rastreio para o cancro do colo do útero (papanicolau) e 32% para o cancro da próstata (toque retal). No caso da colonoscopia, usada no rastreio do cancro colorretal, a percentagem desce para os 12%. Já a mamografia é o único rastreio para o cancro reconhecido pela maioria (77%).

Perante os resultados, a presidente da SPO, Dr.ª Gabriela Sousa afirma: “A falta de conhecimento sobre rastreios é preocupante, uma vez que estes são fundamentais para detetar precocemente o cancro, ainda antes do aparecimento dos primeiros sintomas. Sabemos que quanto mais cedo a doença for diagnosticada, maiores são as probabilidades de cura. Os programas de rastreio organizado não têm ainda uma cobertura nacional de 100%, mas é importante que os jovens de hoje, adultos de amanhã, reconheçam aqueles que existem, para potenciar a adesão aos mesmos”.

Para a realização deste inquérito aos jovens portugueses, a SPO contou com o apoio da Janssen, companhia farmacêutica do grupo Johnson & Johnson.

Para o segundo dia deste Simpósio, está também agendado um debate com o tema “Cobertura e organização dos cuidados oncológicos em Portugal”, a realizar-se às 13h30.

Nesta sessão, para além da apresentação e discussão dos resultados do inquérito em pormenor, irá também ser debatido o tema “Compromissos para a Oncologia em Portugal”, um documento com medidas concretas, cuja implementação é urgente para que se possa perspetivar um futuro mais positivo.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019