Prémios Pfizer celebram 60 anos
Prémios Pfizer celebram 60 anos

Os Prémios Pfizer celebram este ano a sua 60.ª edição. A cerimónia de atribuição dos prémios de investigação básica e clínica, no valor de 20 mil euros para cada categoria, realiza-se hoje, dia 15 de novembro, na Antiga Biblioteca do Convento do Beato, em Lisboa, sendo presidida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O evento, que também pretende celebrar os 60 anos dos prémios Pfizer, conta com uma conferência sobre o tema “Pensar a Ciência”, da responsabilidade do Prof. Doutor Emérito Jorge Calado. O ministro da Saúde, Prof. Doutor Adalberto Campos Fernandes, fará uma intervenção na sessão de encerramento da cerimónia.

Os avanços científicos na saúde intestinal da autoria do Prof. Henrique Veiga Fernandes do Instituto de Medicina Molecular (IMM) e no cancro gástrico liderado pelo Prof. Doutor Pimentel Nunes do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto são as investigações vencedoras da 60.ª edição dos Prémios Pfizer, os mais antigos galardões na área da Investigação Biomédica atribuídos em Portugal. Os dois cientistas distinguidos são autores de dois projetos de investigação, um de investigação básica e um de investigação científica, selecionados pelo júri entre os 56 trabalhos concorrentes a estes prémios.

Na categoria de investigação básica, foi declarado vencedor o projeto assinado pelo Prof. Doutor Henrique Veiga Fernandes do IMM, intitulado “O Sistema nervoso como guardião da imunidade intestinal”. Este trabalho permitiu identificar a expressão de uma nova molécula, RET, que é expressa pelos linfócitos inatos intestinais. Esta molécula é essencial para a proteção das mucosas e regulação da inflamação intestinal. RET funciona assim como um “interruptor” que quando ligado protege o intestino de agressões inflamatórias. De forma surpreendente, as células da neuróglia, anexas aos linfócitos inatos, ligam o “interruptor" RET após detetarem sinais produzidos por microrganismos ou células em apuros. As células da neuróglia recebem assim sinais do intestino e dão instruções ao sistema imunitário para reparar os danos, abrindo assim portas para a possível exploração terapêutica deste sistema. O trabalho revela ainda uma troica multicelular formada pela neuróglia, linfócitos inatos e epitélio, que controla a defesa intestinal, indicando por fim que as células da neuróglia são peças centrais do funcionamento intestinal ao controlarem simultaneamente a função nervosa e imunitária.

Na categoria de investigação clínica, foi declarado vencedor o projeto assinado pelo Prof. Doutor Pedro Pimentel-Nunes do IPO-Porto, intitulado “Estudo prospetivo multicêntrico da utilização em tempo real da cromoscopia por NBI no diagnóstico de condições e lesões gástricas pré-malignas”. Este trabalho trata-se de um estudo prospetivo multicêntrico envolvendo cinco centros de Gastrenterologia mundiais (Portugal, Itália, Roménia, Reino Unido e Estados Unidos), 238 doentes e 1123 biopsias endoscópicas.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019