Estudo da Novartis demonstra redução e prevenção de exacerbações na DPOC

08/06/16
Estudo da Novartis demonstra redução e prevenção de exacerbações na DPOC

A Novartis divulgou os resultados de um ensaio clínico, que demonstra que é possível intervir ao nível da prevenção das exacerbações da doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC).

Constituindo um dos maiores desafios da Saúde desta década, a DPOC afeta cerca de 210 milhões de pessoas, sendo a terceira principal causa de morte. Em Portugal, a DPOC afeta 800 mil pessoas, das quais se estima que apenas 10% estejam diagnosticadas. Os doentes com DPOC experienciam crises, designadas de exacerbações, que se associam ao aumento dos custos de utilização dos cuidados de saúde, particularmente devido à necessidade frequente de hospitalização.

A prevenção e redução destas crises é uma das prioridades no tratamento que, tradicionalmente tem sido realizado através de medicação à base de corticosteróide inalado combinado com broncodilatador. No entanto, o uso de corticosteróide inalado pode colocar os doentes com DPOC em risco de desenvolver outras condições graves, como diabetes, osteoporose e pneumonia.

Foi neste contexto, e tendo por evidência a eficácia dos broncodilatadores no tratamento da DPOC e prevenção de crises, que a Novartis conduziu o estudo FLAME, para avaliar a eficácia de um tratamento para a DPOC sem corticosteroides inalados em doentes em risco.

Os resultados agora conhecidos demonstram que os doentes tratados com a combinação indacaterol/glicopirrónio administrada diariamente num inalador que permite confirmar a toma (ver, ouvir e sentir) demonstrou ser superior ao tratamento com corticosteroide combinado com salmeterol na redução e prevenção de crises, melhoria da função pulmonar e da qualidade de vida das pessoas com DPOC.

Adicionalmente, a combinação indacaterol/glicopirrónio demonstrou estar associada a uma menor incidência de pneumonias relativamente ao regime de tratamento incluindo um corticosteroide inalado.

Em comunicado, a Novartis agradece a todas as equipas de investigação e aos doentes pelo “enorme contributo para realização deste estudo que permitiu alargar as fronteiras do conhecimento para o melhor tratamento das pessoas com DPOC”.

Para mais informações visite www.novartis.pt ou www.novartis.com.

Partilhar

Publicações