01/04/2013 19:08:23
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Depressão demora, em média, 5 anos a ser diagnosticada

"Mais de um ano de evolução sem tratamento reduz em cerca de 70% a probabilidade de a remissão ser atingida. Ao fim de cinco anos sem tratamento, a probabilidade desce para cerca de 1%!" O alerta é dado pelo psiquiatra Fernando Medeiros Paiva.


De acordo com o especialista, "A depressão é uma doença complexa quanto aos seus sintomas (emocionais, cognitivos e somáticos), de causalidade múltipla (reativa a acontecimentos de vida e a outras doenças médicas, endógena), pelo que a única resposta eficaz deverá ser através da
utilização de várias formas de tratamento (psicoterápico, socioterápico, psicofarmacológico,
físico e complementar), em simultâneo ou sequencialmente."

Na opinião de Fernando Medeiros Paiva, "talvez por causa destes aspetos múltiplos e complexos, o reconhecimento de um episódio depressivo e o seu diagnóstico são muito tardios". Segundo adianta, em Portugal, de acordo com o último estudo epidemiológico, o tempo médio de diagnóstico de uma depressão é de cinco anos.

O psiquiatra  considera que não será possível ter êxito na recuperação do doente sem primeiro conseguir a sua integral cooperação e a dos seus familiares e amigos nesse projeto delineado certamente pelo médico, mas obrigatoriamente acompanhado pela preciosa colaboração do doente.

 

"Ouvir o doente com atenção e empatia, procurar compreendê-lo e ajudá-lo a perceber os seus sintomas, esclarecer o mais possível o funcionamento do órgão responsável pelos sintomas e o envolvimento de outros órgãos e sistemas na génese e desenvolvimento desses sintomas, e procurar conhecer os acontecimentos de vida negativos, incentivando o relato de outros acontecimentos que tenham ocorrido e que sejam positivos", são algumas das regras que o especialista aponta que devem ser seguidas com rigor e empenho pelo médico para favorecer a adesão do doente à terapêutica.

 

 

As declarações de Fernando Medeiros Paiva surgem na edição de abril do Jornal Médico, que dedica várias páginas a um Especial sobre Psiquiatria.

De periodicidade mensal, Jornal Médico é especialmente dirigido aos profissionais de saúde (médicos e enfermeiros) que trabalham nas Unidades de Saúde Familiar de todo o país, sendo igualmente distribuído nos Agrupamentos de Centros de Saúde. Conta com o apoio do Ministério da Saúde/Administrações Regionais de Saúde e das próprias USF e ACES.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019