Pulmonale defende que é prioritário avançar com rastreio ao cancro do pulmão em Portugal
19/11/2021 16:11:09
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Pulmonale defende que é prioritário avançar com rastreio ao cancro do pulmão em Portugal

A Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro do Pulmão (Pulmonale) alerta que o cancro do pulmão é o que mais mata em Portugal e que por isso deve ser implementado em Portugal um rastreio a este tipo de cancro, começando por um projeto-piloto que tem como objetivo reduzir o número de mortes por esta patologia.

A Dr.ª Isabel Magalhães, presidente da Pulmonale, explica que “todos os dias são diagnosticadas, em média, 14 pessoas com este tipo de cancro e 11 pessoas morrem diariamente desta doença. É, por isso, urgente avançar com um projeto-piloto de cancro do pulmão em Portugal que vise uma redução do número de mortes por este tipo de cancro.”

“A associação, em conjunto com um grupo de peritos na área da saúde, tem vindo a elaborar um projeto-piloto para rapidamente apresentar à tutela. Neste projeto, é defendida, de forma unânime, a necessidade de se implementar um rastreio em Portugal. Estamos certos de que o diagnóstico precoce continua a ser o método mais promissor na redução da mortalidade, sendo o rastreio essencial para salvar vidas,” termina a representante da associação.

Em 2020, cerca de 320 mil pessoas foram diagnosticadas com cancro do pulmão nos países da União Europeia e mais de 257 mil pessoas morreram da doença. Em comparação com outras patologias oncológicas, como o cancro da mama ou o colorretal, o cancro do pulmão continua a ter uma taxa de sobrevivência muito baixa. A possibilidade de sobreviver cinco anos após o diagnóstico é de apenas 15%.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019