“Tudo aquilo que diga respeito à ação profissional do gastrenterologista fará parte das nossas preocupações”
30/06/2021 15:08:26
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
“Tudo aquilo que diga respeito à ação profissional do gastrenterologista fará parte das nossas preocupações”

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) anunciou, a 16 de junho, a tomada de posse do mais recente presidente daquela que é a associação científica que representa a especialidade médica que trata a saúde digestiva dos portugueses. Em conversa com a News Farma, o Prof. Doutor Guilherme Macedo, que substitui o Prof. Doutor Rui Tato Marinho no cargo, adiantou os pilares do seu mandato ao longo do biénio, reforçando o seu compromisso para com a formação não só dos gastrenterologistas, mas também da população em geral, no que toca a saúde digestiva. Assista ao depoimento.

O recém-eleito presidente introduz a conversa com a afirmação de que, apesar de o futuro estar “completamente condicionado por aquilo que foram os últimos anos na saúde em Portugal, de uma maneira geral”, não significa que esteja “limitado”. O especialista dá como exemplo a hierarquização necessária de soluções na Gastrenterologia, atendendo à pressão gerada pela pandemia da COVID-19, e que, agora, “pela urgência dos acontecimentos”, se intensificou.

“Uma coisa é a forma como preparamos os nossos futuros especialistas, e outra coisa é o tipo de desafios que os diferentes gastrenterologistas têm atualmente nas suas instituições públicas e privadas. Portanto, tudo aquilo que diga respeito à ação profissional do gastrenterologista fará parte das nossas preocupações”, assume o Prof. Doutor Guilherme Macedo.

Nesse sentido, o gastrenterologista adianta duas das suas “grandes frentes de combate” ao longo do seu mandato, designadamente “a preocupação sobre a formação e o desempenho do gastrenterologista como um especialista de uma área médico-cirúrgica única”, bem como a expressão pública da SPG, tanto no que toca a sensibilização da população portuguesa para a sua saúde digestiva, mas também na colaboração com a tutela.

“Há uma série de desafios que Portugal vai ter em relação à área da saúde digestiva e penso que é fundamental que a tutela tenha em nós interlocutores privilegiados para os compreender melhor e para trilhar caminhos conjuntamente”, acrescenta.

Entre os desafios, o responsável salienta os problemas relacionados com procedimentos técnicos como a endoscopia digestiva, mas também a área da Oncologia digestiva, na qual “há aspetos decisivos em relação à utilização e priorização de fármacos e disponibilidade de novas soluções terapêuticas para múltiplas áreas”. A eliminação do vírus da hepatite C é também uma prioridade da SPG, que o presidente assegura que “terá uma palavra decisiva”.

O Prof. Doutor Guilherme Macedo sumariza: “Aquilo que oferecemos para este próximo biénio é muito trabalho, muito entusiasmo, e uma energia inesgotável que a nossa comunidade de médicos gastrenterologistas quer dar, para aquilo que é o cumprimento de uma noção básica de saúde para a nossa população, que é a saúde digestiva. Não há portugueses felizes se não tiverem uma boa saúde digestiva”, conclui.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019